Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

sábado, 29 de outubro de 2016

Sobre a dor das plantas e o veganismo

David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Sobre a dor das plantas e o veganismo

Por causa de veganos e vegetarianos que campanhas a favor da preservação da natureza são encampadas
Estudos sobre a dor das plantas ainda são inconclusivos (Foto: Reprodução)
Estudos sobre a dor das plantas ainda são inconclusivos (Foto: Reprodução)
Uma das imagens que mais tenho visto compartilhada por pessoas que não são vegetarianas ou veganas é uma que induz à ideia de que as plantas sentem dor. E isso curiosamente, embora até então não tivesse nenhum respaldo científico, hoje vai ao encontro de uma matéria controversa e de interpretação variegada publicada pela Deutsche Welle, na Alemanha, envolvendo um trabalho de pesquisadores do Instituto de Física Aplicada da Universidade de Bonn.
Embora o título da matéria, também veiculada no Brasil e em Portugal, dê a entender, logo no título e na linha fina, talvez como chamariz, que as plantas sentem dor, o próprio trabalho informa que não é bem assim. O estudo, encampado por cientistas da área de física aplicada, não de biologia, é baseado em sinais de comunicação, e responder a um sinal de comunicação não é atestado de sensibilidade.
Ainda assim, não deixa de ser um trabalho relevante quanto à captação e transmissão de estímulos. Porém, se pensarmos nos animais, já foi provado que eles têm sensibilidade inclusive superior à humana pelo fato de serem incapazes de racionalizar as próprias emoções. Logo eles sentem dor, e muita, algo que é provado independente da ciência.
Mesmo usando o método acústico-etileno, os pesquisadores alemães também não conseguiram provar que plantas têm sentimentos. Já os animais, sabemos que sim. Ademais, animais têm vida social complexa como as dos seres humanos, basta ver a forma como eles se relacionam com seus filhos.
Além disso, é um equívoco muito comum alguém crer que veganos e vegetarianos não atribuem valores às plantas. Muito pelo contrário. É justamente por causa de veganos e vegetarianos que muitas campanhas contra o desmatamento e a favor da preservação da natureza são encampadas. Ninguém combate mais isso do que pessoas que se recusam a consumir alimentos de origem animal, já que a destruição da natureza hoje em dia está mais relacionada à crescente destinação de espaço para a criação de animais e produção de ração.
Conversando sobre esse assunto, dias atrás um amigo me perguntou o que eu faria se hipoteticamente fosse provado que as plantas sentem dor. Bom, eu continuaria trilhando meu caminho, já que um vegano precisa de uma área 18 vezes menor para se alimentar do que quem não é. Minha prioridade é proporcionar o menor impacto possível aos seres vivos enquanto eu viver, e vou me adaptando às novidades sem problema algum. Jamais desconsiderei a importância das plantas. Penso que tudo que compõe a natureza é belo e essencial à sua maneira, independente de níveis de sensibilidade.
Comentei também que acho um grande erro qualificar um vegano como elitista ou elitizado, porque acredito que é exatamente para não parecer assim que muitos aderem ao veganismo. Considero até uma contradição chamar um vegano de elitista. No meu caso, tento viver sob o princípio da igualdade – não me sinto superior a nenhum animal. Por isso optei por não me alimentar deles. É um estilo de vida que condiz com a minha essência, e não falo só de valores morais e éticos. Acredito que muitas pessoas já nascem para o veganismo, mas muitas vezes só descobrem isso muito tempo depois, quando notam ou sentem os sinais que os levam para esse caminho.

Um comentário:


  1. Plantas: Vida Secreta. Crônica de 25.07.2011 (trecho)


    "Muitas vezes, me aproximando devagar tal a neblina que permitia enxergar não mais do que um palmo à frente do para-brisa, permaneci assentado no meio daquele resto de mata, verde brilhante nos dias de sol que a varava por frestas, para um descanso ou mesmo para me acalmar das agruras reais do trabalho, das relações dificultosas, competitivas que se verificam no âmbito da empresa e na vida diária de um modo geral. Minhas explosões.
    O que devo dizer, entre borboletas e pássaros desconfiados?
    Que a serenidade baixava e, para trazê-la mais rapidamente eu a invocava: serenidade!
    Houve dias que não fugi da chuva, tão intensa naqueles lados. Sai molhado mas respeitando cada vez mais e profundamente aquele recanto que, muitas vezes, sozinho, era só meu e dos pássaros e das borboletas amigos inofensivos e inspiradores.

    O livro a que me referi é denso e entre muitos aspectos interessantes sobre as plantas, relata experiências de suas reações sob ameaça.
    Sua vontade de viver. As variações que encontram para sobreviverem num ambiente inóspito. As sementes que querem espocar e brotam até mesmo nos locais mais improváveis. Quando criança, era uma festa encontrar, naqueles campos de mato ralo um pé de manga recém saído do caroço, ainda com suas folhas grenás.
    Do prefácio resumo e transcrevo:
    Um policial surpreendeu-se pela reação de uma dracena ao instalar, “impulsivamente”, os eletrodos de um detector de mentiras em suas folhas. E ficou estarrecido: “as oscilações da agulha do galvanômetro sobre o painel em movimento desenhavam uma curva semelhante à obtida ao submeter-se o ser humano a um estímulo emotivo de breve duração.”
    E na sequência da experiência:
    “Decidiu então submeter a folha a uma ameaça maior: queimar a folha. No instante exato em que teve esse pensamento, antes mesmo de apanhar a caixa de fósforos, a agulha se pôs a oscilar freneticamente. Por mais absurdo que parecesse, a planta havia lido o pensamento” do policial.
    Bem, se assim se dá, imaginem o que eclode na Terra, com as grandes queimadas de áreas imensas de mata virgem. Os gritos silenciosos de terror que ecoam pelo éter. As vidas que lá são ceifadas de modo inapelável pelas chamas!"

    ResponderExcluir