Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Cortejo



Lídia Sendin

Risca o rosto do peão
Esse vento que fustiga,
Sol a pino, estradão,
Tange o boi pela campina.

Não há onça, nem leão,
Mas o medo o castiga,
Tanta vida e solidão
No silêncio uma cantiga.

Chora a alma, o corpo briga,
Mas não há outra opção.
O cortejo assim avança,
Vai a res pro matadouro
E com chicote de seu couro,
Estalando em suas ancas
Não recebe compaixão...

sábado, 26 de maio de 2018

Gatos na Croácia, Bósnia, Montenegro e Eslovênia

Estive na região da antiga Iugoslávia, agora formada pela Croácia, Bosnia e Herzegovina, Sérvia, Macedônia, Montenegro e Eslovênia.
Os gatos por lá são muito bem-vindos e bem cuidados por toda parte. Fotografei muitos deles.
Há gatos gordos e mansos em todas as cidades, e também bebedouros e pratinhos de ração para eles.
Também vi muitos com a orelhinha picotada, sinal de que foram castrados.
Como ninguém os espanta, são mansos e adoram carinho

No peitoril da joalheria, um gatinho dorme sossegado









 Gatinha no hotel 5 estrelas, muito brincalhona!
 Souvenirs de gatinhos, uma festa para quem ama, como eu!


 Nos restaurantes, até casinhas e pratinhos de ração e água para eles


 Em meio às mesas dos restaurantes
 Budva e Kotor são chaamadas cidade dos gatos


 Não resisti e comprei uma bolsinha destas

 Nas lojas


 Muito mansos!



 Num sítio arqueológico
 No restaurante
Um cãozinho para variar

domingo, 20 de maio de 2018

"Animal Sente" - Clipe da música com Mini Vegano



Fonte:VISTA-SE
Nem sempre é fácil falar para os pequenos o porquê da família não consumir certos produtos que a maioria das pessoas consomem. Essa afirmação fica ainda mais evidente em festinhas e outros eventos sociais, por exemplo.
Sem a possibilidade de exibir um documentário para a criança, porque esses filmes quase sempre são pesados, os pais e responsáveis precisam usar a imaginação. Pensando nisso, os compositores Nana Lacerda e Bruno Monteiro criaram uma música bastante didática sobre o assunto.
A canção foi publicada no Youtube com ilustrações elaboradas com a ajuda de Diego Naropa, o mini vegano de 11 anos que tem um canal no Youtube (conheça).
Ainda sobre vídeos veganos para crianças, não deixe de conferir o filme Vegana (2010), do Instituto Nina Rosa (confira aqui).
Assista ao vídeo | Youtube

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Arqueóloga conta como pesquisar relação entre humanos e carne a tornou Vegana


“Todo vegano parece ter seu próprio momento de despertar em que algo dá um clique e ele para de comer produtos de origem animal”, diz a arqueóloga da Universidade de Cambridge, Pía Spry-Marqués, que se comprometeu com o veganismo há dois anos enquanto pesquisava a história da carne de porco.
“Meu filho nasceu há três anos e eu estava amamentando ele. As pessoas me olhavam de maneira esquisita por amamentar meu filho e, no entanto, estava tudo bem em tomar café com leite de vaca ou comer pasta de chocolate “, lembra ela ao The Independent .
“Comecei a pensar como é estranho beber leite de vaca. Eu estava escrevendo o livro e pesquisando sobre fazendas industriais e porcas amamentando, e tudo isso foi demais. Eu decidi que seria vegana no dia seguinte. E foi isso. ”
Conforme a doutora Spry-Marqués mergulhou na história da carne de porco – desde a época paleolítica até agora – ela aprendeu sobre como os porcos são relativamente sensíveis, criaturas sociais que podem expressar empatia . E sobre os extremos da pecuária industrial , onde os porcos são castrados sem qualquer alívio da dor e mantidos em condições severas e apertadas. E como os subprodutos deste processo acabam em todos os tipos de itens, de pincéis à gaze médica, de iogurtes à porcelana chinesa.
A arqueóloga, que se encontra em Cambridge e é originalmente da Espanha, admite que antes de começar a explorar a relação entre humanos e porcos para o seu livro Pig/Pork: Archaeology, Zoology, Edibility , ela – como a maioria de nós – pensou pouco sobre a proveniência da sua comida.
“A única vez que vi porcos eram os leitões mortos em exibição em açougues espanhóis, ou pernas de presunto em restaurantes e bares. Mas você está tão desconectado que não te choca ver a pele macia e pálida no balcão. Agora penso sobre isso, me choca que não tenha me chocado antes.”


“Eu amo presunto ibérico. Eu amo chouriço “, acrescenta a Dr. Spry-Marqués. “Mas não vale a pena”.
A existência de vinho vegano foi uma das descobertas mais surpreendentes da acadêmica, segundo ela. Eu estava: ” Que ?! ” Certamente vinho é vegano, são apenas uvas. Não é. O vinho tem aditivos derivados de animais, de ovos, de peixe. E a tripsina de porco, que é proibida na UE, mas usada nos EUA, é secretada pelo pâncreas e usada para quebrar as proteínas no vinho e clarificar a bebida. Também é encontrado em cerveja “, diz ela.
Ficou claro para a Dr. Spry-Marqués que o uso generalizado da carne de porco é uma questão de oferta e demanda.
“Quanto menos carne consumimos em geral, menos temos subprodutos usados ​​de alguma outra maneira. Usamos cada pequena parte do animal e se vamos matá-los, nós bem podemos fazê-lo. Mas se o consumo de carne diminui, então precisaremos encontrar alternativas “, argumenta ela.
Mas o livro da Dr. Spry-Marqués não é simplesmente um “veganisador”, escrito apenas para transformar os estômagos dos maiores fãs de bacon. Também desenha a complicada história cultural do porco. Os porcos foram domesticados pela primeira vez no que é agora a Turquia moderna há cerca de 9.000 anos. Ao contrário de outros animais que foram vistos como presas e depois capturados e criados – como galinhas – porcos, ou mais precisamente javalis selvagens, foram atraídos pelo alimento residual em assentamentos humanos e depois criados. ” Olhe onde eles se enfiaram apenas por alguns restos de comida”, diz a Dr. Spry-Marqués .
“Agora pensamos nessa região como livre de porcos, mas na verdade é onde tudo começou”, ela acrescenta. Completamente independente, os porcos foram domesticados novamente na China, mil anos depois, enfatizando a forma como a nossa história com carne de porco é vasta e variada. Evidências sugerem, por exemplo, que os porcos foram proibidos no judaísmo e no islamismo, a fim de diferenciar os membros da religião. No entanto, as questões relativas à segurança e ao transporte da carne também provavelmente desempenharam um papel em seu veto, acrescenta. E durante a época da Inquisição espanhola, as autoridades usaram presunto para testar se uma pessoa se converteu ao catolicismo.


Apontando para o carnismo – uma teoria criada pela psicóloga social Melanie Joy – A Dr. Spry-Marqués argumenta que comer carne não é algo que os seres humanos fazem inerentemente. Não é estranho que, no Reino Unido (bem como no Brasil), alegremente comemos carne de porco mas não de cachorro? Quando estremecemos com a idéia de comer um bife de cavalo, mas salivamos com a idéia de um hambúrguer de carne de vaca? Levítico 11 no Antigo Testamento, que proíbe carne de porco, também proíbe a de águia, “qualquer tipo de corvo” e camelos. A acadêmica estava juntando as peças de quão arbitrário é o que comemos.
“Estamos condicionados por um sistema de crença invisível que nos encoraja a comer animais que é compartilhada por todas as culturas comedoras de carne. Se você pensa sobre os milhões de animais diferentes lá fora, nós escolhemos apenas alguns que classificamos como comestíveis. Os outros são vistos como nojentos. Imagine comer um rato. ”
Dois anos depois de se dedicar ao veganismo, a Dr. Spry-Marqués diz que se sente mais saudável, mas também como se tivesse sido enganada por como consumia comida. Então, talvez ela não seja uma “super-heroína vegana” e tem conflitos sobre a origem ética da quinoa e da castanha de caju tanto quanto da carne. Mas ela diz que agora ela pensa mais sobre sua comida.
“Mesmo o mais ínfimo passo em uma direção fará a diferença”, argumenta ela. “Quanto mais mainstream isso se torna você não terá que fazer essa escolha mais, será o padrão”.
Perguntada sobre o que ela espera que os leitores tirem de seu livro, ela conclui: “Eu quero que eles percebam que há uma grande história por trás de cada animal que comemos. E, se uma pessoa se tornar vegana como resultado e reconsiderar suas escolhas alimentares, minha ação está feita “.Fonte: The Independent