Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

segunda-feira, 25 de julho de 2016

NORMAS PARA MATAR ANIMAIS NÃO NOS POUPAM DE DOENÇAS

05 MAIO 2014. POR DR. PHIL. SÔNIA T. FELIPE
Racionalizando a crueldade, normatizando o uso, manejo, exploração e matança de animais, não a torna menos abjeta, apenas a reveste com jalecos, luvas e máscaras. Aliás, máscaras! É delas que a ciência é feita, para atender não às necessidades reais humanas, mas para criar necessidades outras, depois de inventarem drogas para tudo que é sintoma ser abolido, em vez de ajudar as pessoas a abolir do prato os alimentos maléficos que produzem as mazelas e doenças.
Há muita normatização bem-estarista à serviço da exploração e matança de animais. Tudo em nome da cultura, da tradição, da ciência e da nutrição. Há uma propaganda medicinal massiva e ao mesmo tempo quase imperceptível de alimentos animalizados. Médicos dizem aos seus pacientes para "diminuir" o consumo de carnes, de leite, laticínios e de ovos. Raramente sugerem a eles abolir esse consumo. Estão a dizer, literalmente: coma disso que é bom, só não passe da conta. O limite que não deve ser passado, isso ninguém nunca sabe dizer de quanto é, muito menos respeitar. O "muito" e o "pouco" de alimentos nos quais nos viciamos, são medidas absolutamente carregadas de valoração emocional, portanto, subjetivas.
Fazer propaganda de alimentos animalizados, pode? Conscientizar sobre a desnecessidade humana de ingestão de proteína de origem animal, não pode?
Quem ditou a regra que diz que não pode? As seis irmãs que vendem os venenos usados na agricultura que produz grãos e cereais dados para "o gado" comer? (Veja o filme: O veneno está em sua mesa 2) Qual gado? Comendo o que vem "do gado" não humano, esse "gado humano" se envenena junto, dez vezes mais do que se abolisse esses alimentos e comesse diretamente os grãos, cereais, verduras, legumes, frutos e frutas.
Nascemos, como os elefantes e as águias, para viver até 100 anos. O que nos mata, ou encurta a vida, diz a médica Dra. Galina Schatalova, que tratou da dieta dos astronautas soviéticos por mais de 40 anos, é a comida errada que comemos.
Ela nos tira metade do tempo de vida, quando não dois terços dela. E disso não se pode falar? Quem nos quer calados, certamente não tem preocupação alguma com o sofrimento dos animais, com a devastação do planeta e com a nossa própria saúde. Está na hora de assumir o controle do que escolhemos colocar no prato. Dieta abolicionista vegana. Luz e Paz.

[Os livros de Galina Schatalova foram traduzidos do russo para o alemão: Wir fressen uns zu Tode (1996) (Nós nos devoramos, comendo); Philosophie der Gesundheit (1997) (Filosofia da Saúde); Heilkräftige Ernährung (2003) (Alimentação Salutar). Não há versões de seus livros em outras línguas.]









Nenhum comentário:

Postar um comentário