Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

sábado, 13 de setembro de 2014

Você já comeu a Amazônia hoje?



SVB


Você já comeu a Amazônia hoje? Esta pergunta, mote de uma campanha realizada anos atrás pelo Instituto Peabiru (sediado em Belém/PA), representa bem a 
expedição feita pela SVB à Amazônia em janeiro de 2014.
Durante dez dias, três representantes da organização participaram de uma expedição que passou por comunidades ribeirinhas do Rio Amazonas, próximo à divisa entre Amazonas e Pará.
O objetivo era simples: colher informações e imagens, muitas imagens, da devastação da exuberante floresta amazônica pela atividade pecuária e, também, relatos das comunidades - em especial a respeito dos seus hábitos alimentares e efeitos disso na sua saúde.
 
Se fosse necessário resumir em uma frase o aprendizado e o vasto material recolhido e gravado, ela poderia ser "É impossível falar em preservação da floresta amazônica sem falar no problema do consumo de carnes e derivados". E nós vimos este fato com os nossos próprios olhos.
A base da expedição foi Faro/PA - onde, aliás, a SVB conseguiu após dias de diálogos implantar a Campanha Segunda Sem Carne no âmbito da prefeitura, tornando-se Faro a primeira cidade da Região Norte a aderir a campanha (sobre este assunto, leia mais aqui).
area-devastada
Foto: Marly Winckler

Mas o aspecto que mais chamou a atenção da equipe foi realmente a relação que as comunidades tinham com a pecuária. Os ribeirinhos vivem, ainda, uma ilusão de que o melhor investimento do mundo é comprar um rebanho (mesmo que isso acabe totalmente com as suas economias) e viver da renda gerada por esta atividade pecuária. Entretanto, os testemunhos que vimos de pequenos proprietários de terra e de pequenos rebanhos mostram o contrário: estes pequenos pecuaristas são pessoas pobres, presas ao seu rebanho e à sua atividade, seduzidas e hipnotizadas por um caminho de vida pouco próspero e que, ademais, lhes impede de tentar caminhos melhores (para eles, para os animais e para o meio ambiente) como por exemplo o cultivo de espécies agrícolas vegetais.

bois-varzea-500p
Foto: Guilherme Carvalho

E nesta região da divisa AM-PA, em que as rodovias não chegam, a floresta teve a chance de se manter um pouco mais preservada. O Amazonas, por exemplo, é tido como o estado menos desmatado de toda a Amazônia brasileira. Mesmo assim, ficou muito claro na pesquisa que, nas áreas onde há algum desmatamento, ele tem como atividade motivadora principal a pecuária. E isso é particularmente verdade nas beiras de rios e várzeas, que estão entre as terras mais férteis e também críticas para a preservação dos rios. Para piorar, sabe-se que "onde o boi pisa, não se planta" (ouvimos essa máxima algumas vezes, da boca de moradores locais, durante nossa estada) - ou seja, pôr o gado numa terra, de certa forma, invalida aquela terra para qualquer produção agrícola.

"Para que tudo isso?", nos perguntávamos. "Para que toda essa brutalidade com um ecossistema exuberante e único, junto ao sofrimento dos animais, à violência social imposta aos próprios pequenos pecuaristas e à incidência de doenças crônicas como obesidade e hipertensão?"

E a incidência dessas doenças foi classificada como crescente por diversos profissionais de saúde a quem entrevistamos. Segundo a Secretária de Saúde de Faro/PA, a prevalência de hipertensão é crescente e preocupante, e isso se deve ao menos parcialmente ao padrão alimentar - que exclui uma variedade de frutas, legumes e verduras, incluindo em vez disso grandes quantidades de muita carne. As duas médicas cubanas recebidas em Faro para o programa "Mais Médicos" confirmaram a informação.

Para completar a experiência "Para que tudo isso", visitamos com muita dificuldade o abatedouro de Parintins/MA, onde acompanhamos, de perto e com muito pesar, o pavor de dezenas de animais sendo preparados para o abate.

bois-esperando-abate
Foto: Marly Winckler

Algumas entidades que trabalham a temática do desmatamento na Amazônia propõem, como uma das soluções à devastação da floresta oriunda da pecuária, a intensificação da criação de gado. Querem, de maneira incoerente e inaceitável, diminuir o espaço que os bois ocupam, às custas de ainda mais sofrimento e de áreas plantadas para produzir ração para esses animais. Outros defendem a aquacultura - mais uma vez subjugando animais a sofrimentos ainda maiores -, e outros preferem simplesmente fingir que não precisam falar sobre o tema.

A solução para o problema do desmatamento na Amazônia (ou pelo menos uma parte importante da solução) é conhecida, é simples e pode resolver uma série de outros problemas. A solução se chama vegetarianismo. E o vegetarianismo precisa ser adotado cada vez mais nas grandes cidades, que são os principais demandantes daquela cadeia de sofrimento e devastação na Amazônia. Só não vê quem não quer, e a SVB está determinada a garantir que todos vejam.

Do conteúdo colhido e produzido na expedição, resultará um ou mais vídeos educativos que a SVB pretende usar para estimular uma abordagem consciente e coerente da questão amazônica.

A criação de animais para consumo é o grande vilão do desmatamento da Amazônia. Aprendemos, com informações palpáveis, que é absolutamente impossível falar em redução ou eliminação do desmatamento amazônico sem seguir o vegetarianismo e falar claramente sobre esta problemática da carne.

E você, já comeu a Amazônia hoje?

Nenhum comentário:

Postar um comentário