Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

terça-feira, 29 de maio de 2012

O que é um Vegetariano?


Uma matéria deliciosa da revista Gastronomia e Negócios traz uma entrevista muito bem humorada com Luís Sérgio Álvarez DeRose, vegetariano, mestre de Yôga, estudioso de filosofia oriental e autor do livro “Alimentação Vegetariana: Chega de Abobrinha“.

Extraímos da referida matéria os 8 mandamentos fundamentais da dieta vegetariana para derrubar os mitos que nós, carnívoros, criamos sobre o assunto. Não deu pra resistir. Repetimos o trecho aqui porque, além de ser bem esclarecedor, tem bastante bom humor e uma bela pitada de ironia. Veja só que gostosura:

Vegetariano é aquele que não come carnes. Nem vermelhas, nem brancas, nem azuis, nem furta-cor. Carne alguma. E é só isso.
Vegetariano não come salada. Só de vez em quando. O vegetariano é um gourmet sofisticado e exigente que não faz questão apenas de saúde e higiene alimentar, mas também de prazer, como qualquer outro ser humano. Se não quer cometer uma indelicadeza, não lhe ofereça “uma saladinha”. Ele vai morrer de pena de você e talvez chegue até a aceitar, só por educação.
Vegetariano não come soja. Só adota compulsivamente a soja o falso vegetariano, aquele vegetariano de boutique, quero dizer, de restaurante.
Vegetariano não come só produtos integrais.
“Para o doutor aqui sirva o chá sem açúcar que ele é vegetariano”. Por que sem açúcar? Por acaso açúcar é carne?Vegetariano não come é carne. Açúcar é vegetal. Não temos nada contra o açúcar.
“Vegetariano não toma refrigerante”. Não estamos discutindo aqui se refrigerante é saudável ou não. Estamos denunciando o absurdo da colocação: “Quem se propõe a não comer carne não pode tomar refrigerante.” Se você concorda com essa lógica transversal, cuidado para não ser reprovado em testes psicotécnicos!
Tofu, missô e shoyu. Isso não faz parte da culinária vegetariana e sim da macrobiótica. São elementos procedentes da cozinha japonesa, logo só devem ser usados em pratos japoneses. Ou macrobióticos, já que essa corrente criada por Oshawa é declaradamente nipocêntrica. Colocar algas, shoyu, missô, tofu e outros produtos macrôs em receitas que tenham a intenção de ser apenas vegetarianas, é uma gafe comparável à que cometem os estrangeiros que vêm ao Brasil falando espanhol!
A suposta falta de proteínas! E, seja lá quem for ou que títulos exiba, se alguém se atrever a declarar que a alimentação vegetariana não fornece todos os aminoácidos essenciais, conteste com a indignação dos justos. Diga: “Estou convencido de que você não sabe o que é o vegetarianismo…”. Afinal, um sistema alimentar que reúna todos os legumes, frutas, verduras, cereais e raízes, mais leite, queijo, coalhada e ovos, não pode ser considerado carente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário