Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Ajudando a ciência, torturando animais

A vivissecção é abominável e cruel e com o advento da computação, quase a totalidade dessas ações podem ser substituídas

Animais são submetidos à exposição de substancias químicas, radioativas, privados dos seus habitats naturais, passam por privações sociais, são introduzidos nos seus organismos venenos e outras substâncias, são queimados, electrocutados, afogados, cegos, incapacitados – tudo sem anestésicos , o que muitas vezes resulta no ato da vivissecção, que é a dissecação de animais VIVOS. Para as empresas que realizam testes em animais é bem mais vantajoso, pois são meios mais baratos.

Os testes mais comuns:
 Teste Draize de irritação dos olhos
substâncias são introduzidas nos olhos de coelhos e outros animais, causando freqüentes e dolorosas ulcerações. É comum nos testes de cosméticos.
Teste da dose letal
Os animais são forçados a ingerir substâncias para ver qual o efeito no seu organismo. A dosagem da substância vai diminuindo até que morra apenas uma pequena percentagem de animais, mas antes que isso aconteça milhares de animais são sacrificados. É comum nos testes de produtos de limpeza.
Teste de irritação dermal
O pêlo dos animais é raspado e a pele sensibilizada. São aplicadas substâncias na pele (ultra-sensível) dos animais. Ratos, coelhos, primatas, cães, gatos, porcos, camundongos e porquinhos-da-índia são os animais mais procurados e usados para estes fins. É comum nos testes de cosméticos.
Testes de colisão
Os animais são lançados contra paredes de cimento. Babuínos, fêmeas grávidas e outros animais são despedaçados e mortos nesta prática. São comuns nos testes de viação.
Testes de toxidade alcoólica e tabaco
Os animais são obrigados a inalar fumo e a embriagar-se, para que depois sejam analisados e dissecados. 
 Testes neurológicos e comportamentais
Aos primatas, como chimpanzés, babuínos e macacos, são colocados eletrodos nos seus cérebros (sem anestesia) e são-lhes infligidos danos cerebrais graves e irreversíveis (paralisantes e incapacitantes), para que os cientistas possam analisar o efeito de medicamentos, chips e descargas elétricas. Os estudos comportamentais incluem: privação da proteção materna; privação social na influição de dor, ou seja, afastar os animais da convivência de outros, para a observação do medo; o uso de estímulos adversativos, como choques elétricos para aprendizagem; e a indução dos animais a estados psicológicos estressantes, como o afastamento das crias recém-nascidas das suas mães, por exemplo. Estes testes são comuns nas áreas de neurologia, neurocirurgia, neurofisiologia e psicologia comportamental. Como resultado destes testes muitos animais ficam profundamente deprimidos, enlouquecem e auto mutilam-se.
Testes bélicos
Os animais são submetidos a radiações e produtos de armas químicas e biológicas, assim como a descargas de armas tradicionais. São expostos a gases e baleados na cabeça, para o estudo da velocidade dos mísseis e projéteis.
Testes dentários
Os animais são forçados a manter uma dieta nociva à base de açúcares, e a manter hábitos alimentares errados para, no final, adquirirem cáries, terem as gengivas descoladas e a arcada dentária removida.
Testes médico-cirúrgico
Milhões de animais são mortos nas cirurgias das faculdades de medicina
Como ajudar os animais:
Você Pode evitar esse abuso, deixando de consumir produtos que são testados em animais, mostrando sua insatisfação com este tipo de prática.  Existem no mercado produtos "alternativos" de necessidade básica que podem substituir os mais comuns, com o mesmo efeito e sem crueldade! Procure nas embalagens símbolos que possam dar garantias que o produto e os ingredientes não são testados. O símbolo da BUAV, com um coelho e duas estrelinhas, é garantia de que nada foi testado. Este símbolo não garante, contudo, que o produto não tem ingredientes de origem animal. O símbolo da Vegan Societ, com a palavra “Vegan” e um girassol, garante que se trata de produtos veganos. Também o símbolo da EVU com a palavra “Vegan” certifica produtos veganos. É provado pela ciência que a maioria dos medicamentos testados em animais não surte o efeito desejado no homem, portanto, comece a deixar de lado os medicamentos convencionais, tente um chá caseiro para a cólica, repouso para curar a dor de cabeça, ervas para a gripe e toda e qualquer medicina dita "alternativa" é desejada, você pode tentar a homeopatia, florais e etc.

Nenhum comentário:

Postar um comentário