Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Frases de vegetarianos famosos


"Que horror é meter entranhas em entranhas, engordar um corpo com outro corpo, viver da morte de seres vivos."



Pythagoras 

sábado, 26 de setembro de 2015

AS MARIAS DO RODOANEL



AS MARIAS
SERIA A ÚLTIMA VIAGEM
O EPÍLOGO DA GRANDE DOR
DA CARRETA DA AGONIA
PARA A SALA DO HORROR
A CARGA VIVA, ABARROTADA
OLHOS DE SÚPLICA E DE MEDO
POIS NESSE FILME, O EGOÍSMO
ESCREVE EM SANGUE O ENREDO
VIDAS VIVIDAS SEM AFETO
COISIFICADAS SEM PUDOR
PRA HUMANIDADE ENTORPECIDA
SE ALIMENTAR DE DESAMOR
MAS, NO ”SEM PARAR”, PAROU
SEM QUERER TOMBAR, TOMBOU
GRITOS, DESESPERO, MORTE
ALERTA, AUXÍLIO, SORTE
E OS GRITOS ECOARAM
O DESESPERO COMOVEU
E A CARGA CONDENADA À MORTE
DA ESTRADA FRIA RENASCEU
GUERREIROS FEITOS DE AMOR
SURGIRAM PRONTOS PARA A AÇÃO
AS MÃOS DE LUZ ESTAVAM ÁVIDAS
POR SE ARMAR DE COMPAIXÃO
VIMOS, ENFIM, A GUERRA SANTA
DUM LADO, A TRISTE TRADIÇÃO
DO OUTRO, A CHAMA DO FUTURO
QUE PRENUNCIA A EVOLUÇÃO
E O GRITO ECOOU
NA ALMA “SURDA”, QUE CHOROU
E O OLHAR CEGO DE VERDADE
VIU O QUE É REALIDADE
HÁ UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL
E POR QUEM NÃO SOBREVIVEU
NA MORTE EM CENA TÃO MARCANTE
O EGO FRIO SE COMOVEU
É A NATUREZA REAGINDO
SIM, HOUVE PERDAS, HOUVE DANOS
MAS O MILAGRE DA TRAGEDIA
REVELOU HOMENS HUMANOS
SUAVE SOPRO DE ESPERANÇA
E O DITO TÃO CONVENCIONAL
“ESCREVE DEUS POR LINHAS TORTAS”
NUNCA MOSTROU-SE TÃO REAL
NO BARRO, AGORA, CHAFURDA A ALEGRIA
DO OLHAR QUE, ENFIM, CONTEMPLA O DIA
E O SOL AQUECE LÁ DO CÉU
NOSSAS MARIAS DO RODOANEL

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Urso polar desnutrido - foto chocante

Alemão choca milhares ao exibir foto de urso polar desnutrido


(Foto: Reprodução / Kerstin Langenberger)
Um fotógrafo chocou internautas do mundo inteiro com um clique capaz de conscientizar milhões de pessoas. Durante uma visita às Ilhas Svalbard, localizadas entre a Noruega e o Pólo Norte, Kerstin Langenberger flagrou um urso polar extremamente magro andando em uma pequena calota de gelo. 

Desde sua publicação no Facebook em 20 de agosto, a imagem já teve mais 27 mil compartilhamentos. Segundo o fotógrafo alemão, a condição do animal se deve às mudanças no clima, que trazem dificuldades para a sobrevivência da espécie. 

LEIA MAIS
Metas de redução de emissões são insuficientes, revela estudo
Brasil fecha acordo para zerar emissão de gases estufa até 2100

“Sim, eu vi ursos em boa forma, mas eu também vi outros mortos ou passando fome. Ursos andando na costa à procura de comida, tentando caçar alces, comer ovos de aves, musgos e algas. Muitas vezes, eu vi ursas muito magras e essas são exclusivamente fêmeas, como essa (da foto). Um mero esqueleto, ferida numa pata dianteira, possivelmente por uma tentativa desesperada de caçar uma morsa”, disse Kerstin na postagem. 

Langenberger ainda fez um apelo para que a humanidade consiga salvar animais como o urso polar, reduzindo o impacto de suas ações no meio ambiente. “A mudança climática está acontecendo grandiosamente aqui no Ártico. E é nossa escolha tentar mudar isso. Então, vamos fazer algo contra a maior ameaça do nosso tempo”, completou.  

Fonte: Yahoo Notícias

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

A mensagem dos porcos do Rodoanel


Ivana Maria França de Negri

            Eram apenas porcos indo para o matadouro. Cena que acontece todos os dias, centenas de caminhões madrugada adentro levando os pequenos cristos para serem imolados em frigoríficos para que sua carne vá ainda fresca e gotejando sangue para os açougues.
            Ninguém nunca quis saber de sua vida, de seu sofrimento, de sua angústia, afinal, humanos são consumidores de bacon, linguiça, salame, salsicha e outros produtos oriundos desses pobres infelizes. No imaginário popular porcos são animais sujos, grotescos, uma simples carga num caminhão.
Nesta semana, aconteceu algo inusitado, que surpreendeu a todos. Num acidente no rodoanel de Barueri, um caminhão tombou lotado de porcos. Tentaram desvirar a carreta com os animais dentro e o resultado foi terrível, muitos se machucaram gravemente e morreram, e outros sobreviveram feridos, repletos de fraturas.
Ativistas da causa animal se uniram pelas redes sociais e logo um mutirão estava lá, oferecendo água para eles e tentando resgatá-los. O frigorífico já tinha remanejado  cerca de vinte e dois animais, mas os protetores não queriam que fossem para o matadouro depois de tanto sofrimento. Foram horas e horas de agonia. Conseguiram consentimento para levar os que restaram vivos e feridos para um santuário onde animais de todo porte, resgatados de casos de maus tratos, tem guarida, comida e carinho.
Foi uma conquista, um marco para os protetores de animais. Todos sabemos que outros milhares irão em outros caminhões rumo ao cruel destino. Mas a grande vitória foi conseguir abertura para um assunto considerado tabu, fazer com que as atenções se voltassem para os animais criados para consumo humano. Não é de interesse da indústria, dos frigoríficos e revendedores, mostrar o holocausto que os animais vivem. O marketing mostra uma imagem completamente diferente, de animais felizes e soltos.
Animais vistos meramente como comida, tiveram seu sofrimento mostrado nas redes sociais e nos noticiários televisivos. Geralmente esse tipo de notícia tem como protagonistas cães, gatos ou cavalos que tenham sofrido maus tratos ou vivido dramas diversos. Nunca um animal criado para consumo teve sua vida de tortura mostrada abertamente na mídia.  E os porcos foram vistos, talvez pela primeira vez, como animais que merecem compaixão e respeito. Havia fêmeas prenhas, umas com mastite, outras com mamas inchadas o que demonstrava que estavam amamentando, todas obesas, estressadas, com sede, e muito medo, como acontece todos os dias e ninguém vê.
A ciência afirma que porcos tem inteligência superior à dos cães. A criação deles é uma das mais cruéis. As matrizes são contidas em baias minúsculas e não podem mover-se para engorda rápida. Quanto mais rápido engordam, mais cedo vão para o abate. São obrigadas a parir a vida toda e amamentam seus filhotes através das grades. Muitos dos filhotes, ainda bebês, vão para o matadouro. É uma indústria insana, em ritmo frenético, pois é preciso abastecer esse comércio que aumenta cada vez mais.
Muitos jornalistas televisivos fizeram comentários de muito mau gosto como o Bóris Casoy (aquele que zombou dos garis sem saber que estava no ar) que encerrou a matéria com esta pérola: “que desperdício de feijoada”. Esse infeliz perdeu mais uma oportunidade de ficar calado.
            Que este acontecimento trágico sirva para reflexão, que pensemos quanto sofrimento causamos aos animais, criaturas inocentes e vítimas da voracidade humana.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

The Last Pig

The Last Pig: documentário conta história de fazendeiro que trocou a matança pela lavoura

30 de agosto de 2015 às 6:00

(da Redação)
Foto: The Last Pig/ Divulgação
Foto: The Last Pig/ Divulgação
Às vezes, o engajamento com a causa animal pode surgir entre as pessoas de que menos se espera. Uma pessoa que tira seu sustento da morte de animais para consumo de carne, por exemplo, pode vir a tomar consciência e resolver tratar os animais dignamente. Essa certamente é uma razão para comemorar.
Há pouco tempo, amigos de animais festejaram a decisão de três fazendeiros (ex-)exploradores de caprinos, que decidiram abrir um santuário para animais e passaram a produzir queijo vegano.
A famosa cineasta Allison Argo, vencedora do prêmio Emmy, retratou uma história similar no documentário que acaba de lançar. O filme dirigido por Argo relata a hisória de Bob Comis, um fazendeiro que criava suínos no estado de Nova York, que faz de tudo para compatibilizar seu trabalho com seus princípios éticos.
No trailer do documentário, Comis fala dos 250 porcos que vivem na fazenda. “Adoro estar perto deles… Sinto que tenho a obrigação de dar a eles a melhor vida que eu conseguir. Depois de uma década olhando nos olhos de milhares de porcos, compreendi que esses olhos nunca estão vazios de sentimento. Se trata sempre de um sujeito diante de você.”
Assombrado pela culpa de ter assassinado tantos porcos no passado, Comis decidiu tomar a importante decisão de parar de criar animais para consumo, se dedicando exclusivamente ao cultivo de vegetais. “Não quero ter o poder de decidir quem vive e quem morre. Tive de largar meu emprego, meu sustento, para conseguir viver de acordo com a minha ética. É um esforço colossal e aterrorizante. Mas estou comprometido com isso.”
The Last Pig será lançado em meados de 2016. Uma campanha de arrecadação para arcar com os custos de distribuição do documentário terá início na internet a partir de setembro.
Confira o trailer: vídeo trailler