Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Frases



"É somente pelo amaciamento e disfarce da carne morta através do preparo culinário, que ela é tornada susceptível de mastigação ou digestão e que a visão de seus sucos sangrentos e horror puro não criam um desgosto e abominação intoleráveis."

Percy Bysshe Shelley

sábado, 26 de outubro de 2013

Vaca chora segundos antes de ser abatida



Muitos não irão se comover porque a vontade de comer carne é mais forte do que sua compaixão...


BLOG SOS RIOS DO BRASIL
ÁGUA - QUEM PENSA, CUIDA!

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Aprendizado sem crueldade - Escolas de medicina veterinária chilenas substituem animais por simuladores em suas aulas


De longe, parece um cachorro de pelúcia sobre uma mesa procedimento. De perto não só tem o tamanho de um animal real, mas pesa como um e as batidas de seu coração mudam com a patologia que está sendo estudada.
É um simulador animal, um animal robótico que como manequins humanos usados por médicos nas escolas de medicina, ajudam estudantes de veterinária na prática antes de tratar pacientes reais, de modo que seus testes não causem dor aos animais. As informações são do La Tercera.
No Chile, algumas universidades já os têm e no mundo a tendência só cresce. Já é possível treinar suturas no tecido e intubação traqueal para o diagnóstico das doenças dos animais de fazenda de tamanho real.
“Os alunos que imediatamente enfrentam um animal vivo não têm habilidades e competências e têm um monte de insegurança para agir. O que fazemos ajuda o aluno a se sintonizar e se sentir mais confiante de que não irá prejudicar o animal”, disse Macarena Vidal, diretora da Escola de Medicina Veterinária da Universidade Mayor, que usa modelos há três anos.
Rodolfo Paredes, diretor da Escola de Medicina Veterinária da Universidade Andrés Bello, que também usa simuladores, acrescenta que não existem técnicas complicadas, mas existem as que requerem uma grande quantidade de tentativas e que faz com que a possibilidade de que um animal sofra é alta. Por exemplo, a instalação de um cateter para tratamento venoso.
“Agora você pode praticar com braços de cães que vêm com uma via. Preparamos um líquido especial que tem consistência de sangue e também forma coágulos, por isso, se o aluno faz errado a via se fecha e ele não será capaz de obter a amostra de sangue, por exemplo”, diz ele.
Dean Hendrickson, professor da Universidade Estadual do Colorado, nos Estados Unidos, e criador de uma série de simuladores de tecidos e órgãos, assegura que os alunos se sentem mais confortáveis com a cirurgia e têm melhores habilidades ao trabalhar com animais vivos se tiverem testado pela primeira vez com simuladores. “Começamos a usar simuladores no início do programa com os alunos e eles têm sua primeira experiência com animais vivos no terceiro ou quarto ano do programa”, diz ele.

O diretor da Escola de Medicina Veterinária da UNAB concorda e diz que os simuladores de animais não só permitiram aos alunos a lidar melhor com o seu trabalho, mas facilitou aos professores avaliá-los melhor.
Como os simuladores deixam evidência de erros processuais, os professores podem fazer curvas de aprendizagem e detectar quanto tempo leva para cada aluno dominar cada uma das técnicas ensinadas. “Estamos implementando as técnicas e avaliando o seu impacto. Basicamente, vemos o quanto eles aprendem, e tivemos resultados muito bons. As habilidades que os alunos aprendem ao trabalhar com os simuladores são muito boas”, diz ele.

sábado, 19 de outubro de 2013

Últimas do instituto Royal


Notícias do G1

Leia mais aqui

18/10/2013 13h29 - Atualizado em 18/10/2013 13h29

Ativista diz que invasão de empresa que usava beagles 'saiu do controle'

Presidente de sociedade protetora dos animais foi levado para a delegacia.
Ele afirmou ter visto animais com irritações, mas não levou cães para casa.

Letícia MacedoDo G1, em São Paulo
215 comentários
  •  
Beagles foram levados por ativistas de laboratório de pesquisas em São Roque (Foto: Arquivo Pessoal)Beagles foram levados por ativistas de laboratório de pesquisas em São Roque, SP (Foto: Arquivo Pessoal)
O presidente da Sociedade Protetora dos Animais de Dois Córregos, Nelson Alex Parente, que participou da invasão do laboratório do Instituto Royal, em São Roque, na madrugada desta sexta-feira (18), disse que ação dos ativistas "saiu do controle". Ele estima que cerca de 200 cães foram retirados do local. As instalações ficaram danificadas.
MAPA royal (Foto: Editoria de Arte / G1)
Nosso único objetivo era garantir o bem estar dos cães. Era fazer o resgate dos animais, cadastrá-los e levá-los para abrigos. Mas foi uma pena, porque saiu do controle. Isso atrapalha até o serviço sério que as nossas entidades estão fazendo"
Nelson Alex Parente, presidente da Sociedade Protetora dos Animais de Dois Córregos
"Nosso único objetivo era garantir o bem estar dos cães. Era fazer o resgate dos animais, cadastrá-los e levá-los para abrigos. Mas foi uma pena, porque saiu do controle. Isso atrapalha até o serviço sério que as nossas entidades estão fazendo", afirmou ao G1 o ativista, que foi levado pela Polícia Militar até a Delegacia de Polícia de São Roque para ser averiguado.
Dezenas de ativistas derrubaram um portão e invadiram, por volta das 2h desta sexta-feira, o laboratório do Instituto, que fica a 59 km de São Paulo. Eles levaram em carros próprios cães que estavam no complexo, motivados pelas suspeitas de que os bichos sofriam maus-tratos no local, e registraram boletim de ocorrência. Um segundo boletim, por furto qualificado, foi feito contra os ativistas, com base no relato dos policiais que acompanharam a manifestação e a invasão.
Em 2012, após receber uma denúncia contra o instituto, o Ministério Público de São Roque abriu uma investigação, ainda não concluída. "Foram feitas duas visitas. Uma delas por uma veterinária de uma organização internacional. Na época, nenhuma irregularidade foi encontrada", disse o promotor Wilson Velasco Júnior. De acordo com ele, as pesquisas eram de empresas de cosméticos, mas a lei permite que os clientes do laboratório sejam mantidos em sigilo. Ele disse ainda que a prática de vivissecção – a dissecação de animais vivos para estudos – é autorizada.
'Não tivemos mais o que fazer'
Segundo Nelson Alex Parente, cerca de 30 ativistas deixaram a entrada principal do instituto, onde aconteciam protestos há quase uma semana, e pularam a cerca do laboratório na altura do km 56 da Rodovia Raposo Tavares. A decisão foi tomada depois que o grupo recebeu uma denúncia de que os animais seriam mortos e de que caminhões de pequeno porte teriam entrado na estrutura, o que permitiria a retirada dos corpos.
Eles se depararam com seguranças e, posteriormente com policiais. "Nós queríamos que alguém do instituto viesse conversar conosco e nos mostrasse as instalações", afirmou.  
Parente contou que, como não houve repressão de imediato, outras pessoas resolveram fazer o mesmo. "Com o barulho, os cães latiam e as pessoas começaram a destruir as portas para pegá-los. Não tivemos mais o que fazer", disse.
O ativista afirmou ter visto animais sem tosados e com irritações nos olhos e na pele. Um filhote congelado também foi encontrado no laboratório. Ele contou qinda que abrigos tinham sido localizados para acolher os cães da raça beagle. "Eu acho que, se tratasse de cães viralatas, não teria tanta gente interessada. Como se tratavam de beagles, que possuem um valor comercial, juntou tanta gente". De acordo com Parente, cerca de 100 pessoas entraram no laboratório.
O presidente da sociedade protetora dos animais estima que cerca de 200 animais foram retirados do laboratório. "Eu vi muito filhote e várias fêmeas prontas para dar a luz", afirmou.  Parente disse não ter ficado com nenhum animal e que a maior parte foi para São Paulo, Sorocaba e Campinas. "A mobilização pelas redes sociais foi muito grande tinha gente de várias cidades."
Polícia Civil procura os animais
A Polícia Civil procura localizar os cães levados do laboratório. "É primordial neste momento encontrar esses cães e apurar se eles podem causar algum dano à saúde de outros animais e das pessoas.Também precisamos examiná-los para saber se foram vitimas de maus-tratos”, afirmou o promotor Wilson Velasco Júnior, do Ministério Público de São Roque.
De acordo com o delegado Marcelo Sampaio Pontes, que conversou com uma veterinária do instituto, como os animais eram submetidos a tratamentos especiais, eles têm a imunidade comprometida e alguns correm risco de morrer caso não sejam tratados adequadamente. "Até a água que eles tomam é especial", afirmou.
A Polícia Civil vai analisar imagens de televisão e fotos para comprovar a participação de ativistas. Aqueles que deixaram o laboratório com os animais deverão responder por furto.
Instituto admite testes, mas nega maus-tratos
A gerente-geral do Instituto Royal, Sílvia Ortiz, que registrou boletim de ocorrência contra a invasão da empresa por ativistas ligados à associações protetoras dos animais, classificou o ato dos ativistas como terrorismo. Ela admite que a empresa realiza testes com animais, mas nega qualquer tipo de maus-tratos. Afirma ainda que o laboratório segue as regras e tem certificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
No boletim de ocorrência de furto qualificado, policiais que acompanharam a manifestação e a invasão no instituto disseram que dependências do estabelecimento foram depredadas e que os cães ali mantidos foram subtraídos. Eles afirmaram ainda que não houve agressões por parte dos manifestantes contra seguranças do local.
Pastas com documentos, computadores, medicamentos e placas de acrílico contendo o que parecem ser testes foram recolhidos e apresentados na delegacia. Segundo o delegado Marcelo Sampaio Pontes, a polícia faria uma perícia no local ainda pela manhã. Ele disse que a única coisa comprovada até o momento é que os cachorros foram furtados.
O promotor Wilson Velasco Júnior afirmou que, em reunião com representantes de ONGs na quarta-feira (16), orientou para que os ativistas não invadissem o laboratório. "Quando eles invadiram e depredaram o laboratório eles destruíram provas", afirmou. "É primordial neste momento encontrar esses cães e apurar se eles podem causar algum dano à saúde de outros animais e das pessoas. Também precisamos examiná-los para saber se foram vitimas de maus tratos", completou o promotor.
Nota de esclarecimento
A empresa Royal Canin, multinacional de origem francesa que fabrica alimentos para animais domésticos, divulgou uma nota na manhã desta sexta-feira (18) informando que, apesar da similaridade entre os nomes das duas empresas, não possui qualquer relação com o Instituto Royal.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Desperdício de alimentos no mundo

ONU alerta

No dia mundial da alimentação, celebrado nesta quarta-feira (16), a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a FAO, emitiu alerta global para reduzir o desperdício de comida no mundo, problema que persiste enquanto 842 milhões de pessoas passam fome.

De acordo com o órgão, anualmente um terço dos alimentos produzidos no planeta atualmente vai direto para o lixo, o que equivale a 1,3 bilhão de toneladas por ano. De acordo com Robert van Otterdijk, especialista em agricultura da FAO, com apenas um quarto deste total é possível alimentar os mais de 800 milhões de famintos.

E também a indústria da carne rouba os grãos que poderiam alimentar milhares de pessoas famintas. esses grãos vão para alimentar o gado que serve para os mais abastados.

O mundo do futuro deve ser vegetariano, ou não haverá futuro...

sábado, 12 de outubro de 2013

Lisa Simpson, a Vegetariana



http://www.vista-se.com.br/lisa/

Nome Original: "Lisa the Vegetarian"
Primeira Transmissão: 15/10/1995
Temporada: 7
Episódio nº 133
Diretor: Mark Kirkland
Escritor: David S. Cohen
Convidados Especiais: Paul e Linda McCartney por eles mesmos

Sinopse

Lisa percebe que é errado comer animais depois de uma longa sessão com um filhote de ovelha em um zoológico local.
Jurar nunca mais comer carne acaba sendo uma decisão controversa para Lisa, já que todos à sua volta parecem encorajar o consumo de carne.

Na escola, Lisa é obrigada a assistir um filme politicamente inclinado ao consumo de carne e no almoço come apenas o pão do cachorro-quente. Em casa, ela precisa tolerar os planos de Homer para uma festa com churrasco. Depois de brigar com a família por causa de sua crença, Lisa foge para o Kwik-E-Mart, onde ela descobre um espírito semelhante em Apu, que além de ser vegetariano convicto, não come ovos nem queijo.

Lisa também conhece dois outros vegetarianos, Paul e Linda McCartney, que explicam que além de ser importante manter suas convicções sobre o vegetarianismo, ela também deve tolerar a opção dos outros. Sabendo que Paul e Linda tem razão, Lisa faz as pazes com Homer e eles aceitam os pontos de vista um do outro.

Curiosidade: A condição para a participação dos McCartneys foi que Lisa continuasse sendo vegetariana nos episódios futuros.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Cão é resgatado após ficar 4 anos acorrentado recebendo maus-tratos

O dono do animal foi preso e recebeu multa equivalente a apenas R$ 50,00 reais!
O fato ocorreu em Ohio, estado americano. O cão foi encontrado com fome e cheio de pulgas. Ele foi acorrentado em uma árvore há 4 anos e nunca mais saiu do local.
Jeremy Shane Temple foi levado em custódia de sua casa depois que oficiais receberam denúncias que o cão estava sendo maltratado na residência. As autoridades encontraram o Pastor Alemão severamente magro com pouquíssima água e sem comida.
Temple sempre disse aos vizinhos que o cão, chamado Joseph, tinha uma doença que o fazia parecer muito magro. Quando confrontado pela polícia sobre as condições terríveis do animal, ele disse: “O cão não é um ser humano”.
Os policiais comentaram que a coisa mais impressionante era a expressão de tristeza na face do cão.
Segundo o Journal News, Temple vai enfrentar acusações de crueldade com os animais, não ter licença para criar um cão e acorrentar ou amarrar o animal em condições impróprias. Ele será julgado na próxima semana.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Os animais têm alma?



Sim, os animais possuem alma, só que estado mais rudimentar. 
O princípio divino que os anima é o mesmo que anima os humanos. 
Então, por que os homens continuam a matá-los para consumir seus cadáveres? Choram pela morte de uns ( cães e gatos) e se comprazem com a morte de outros ( bois, porcos, galinhas, peixes). 
Incoerências..

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Claudio Cavalcanti - ativista pelos direitos dos animais, vegetariano, deixou um grande legado


Cláudio Cavalcanti iniciou a carreira de ator em 13 de dezembro de 1956, aos dezesseis anos de idade, no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), atuando ao lado de Nathália Timberg, Sérgio Britto e Fernanda Montenegro. No mesmo ano estreou em televisão fazendo teatro ao vivo. Desde então nunca mais interrompendo suas atividades de ator, continuando a atuar em Teatro, Televisão e Cinema até pouco tempo antes do seu falecimento, tendo em seu currículo 41 peças, 39 telenovelas e 35 filmes.

Como escritor tem cinco livros publicados dentre os quais três antologias. Como cantor foi campeão de vendas como o longplay "Claudio Cavalcanti" em 1971.

Concomitantemente com suas atividades artísticas, em outubro de 2000 foi eleito vereador da Cidade do Rio de Janeiro, pelo então PFL, atual DEM, com a plataforma "Por uma política de respeito aos animais". Reeleito em 2004, cumpriu dois mandatos. Em oito anos de atividade legislativa, criou e teve aprovadas 29 leis, consideradas pioneiras em relação a defesa dos direitos animais, entre as quais a que proíbe o extermínio de animais abandonados e introduz a esterilização gratuita como método oficial de controle populacional e de zoonoses. Também, entre outras, proibiu rodeios, circos com animais, estabeleceu multa para maus-tratos e crueldade contra animais e conseguiu a aprovação da lei que proibia a utilização de animais em experiências científicas (vivissecção), recebendo maciço apoio nacional e internacional e criando enorme polêmica. Posteriormente a Lei foi vetada pelo então prefeito, César Maia.

Em 2006 candidatou-se a deputado estadual, tendo obtido 39742 votos e sendo diplomado em dezembro de 2006 como suplente, durante licença de um dos titulares. Não conseguiu se reeleger vereador em 2008, porém após a cassação do deputado Natalino, tornou-se titular em definitivo da vaga na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ). No entanto, ainda não se sabe porque, a assembleia empossou outro deputado menos votado[carece de fontes]. Atualmente, aguarda o julgamento de um Mandado de Segurança contra a Mesa Diretora da ALERJ, mandado esse que está em tramitação no Órgão Especial do TJ-RJ.5

Morreu no início da noite do dia 29 de setembro de 2013, no Rio de Janeiro, aos 73 anos. O ator estava internado na UTI do Hospital Pró-Cardíaco desde a semana de 22 de setembro, e no dia 24, havia passado por um cirurgia por conta da falência de uma vértebra. Segundo seu cardiologista e genro, Carlos Eduardo Menna Barreto, o ator sofreu um choque cardiogênico, que evoluiu para uma insuficiência renal e falência múltipla dos órgãos, ocasionando o falecimento. 



LEIS DE DEFESA ANIMAL DE SUA AUTORIA

Lei 3350/2001 - Disciplina a circulação de veículos de tração animal no Município do Rio de Janeiro.

Lei 3402/2002 - Dispõe sobre a proibição de utilização ou exibição de animais silvestres, nativos ou exóticos, domésticos ou domesticados, em circos e espetáculos congêneres.

Lei 3444/2002 - Altera dispositivos da Lei n.° 3.402, de 22 de maio de 2002, que dispõe sobre a proibição de utilização ou exibição de animais silvestres, nativos ou exóticos, domésticos ou domesticados, em circos e espetáculos congêneres.

Lei 3628/2003 - Proíbe a realização de ablação parcial ou total das cordas vocais ou cordectomia em animais no território do Município.

Lei 3641/2003 - Autoriza o Poder Executivo a construir abrigos para animais de pequeno, médio e grande porte no Município do Rio de Janeiro.

Lei 3739/2004 - Caracteriza a esterilização gratuita de caninos, felinos e eqüinos como função de saúde pública, institui sua prática como método oficial de controle populacional e de zoonoses, proíbe o extermínio sistemático de animais urbanos.

Lei 3472/2002 - Inclui no Calendário Oficial do Município do Rio de Janeiro o "Dia dos Animais".

Lei 3775/2004 - Autoriza o Poder Executivo a criar Postos de Atendimento Veterinário gratuito no Município do Rio de Janeiro.

Lei 3844/2004 - Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa "Bichos de Estimação" nas unidades da Rede Municipal de Ensino Público.

Lei 3845/2004 - Dispõe sobre a proibição de rinhas de cães no Município do Rio de Janeiro.

Lei 3879/2004 - Proíbe a realização de rodeios, touradas ou eventos similares no Município do Rio de Janeiro.

Lei 4187/2005 - Cria o registro destinado ao controle da venda de animais de estimação nos estabelecimentos comerciais do Município do Rio de Janeiro.

Lei 4244/2005 - Autoriza o Poder executivo a criar o pronto-socorro veterinário gratuito 24 horas.

Lei 4276/2006 - Autoriza o Poder Executivo a permitir a permanência de cães no local conhecido como Praia do Diabo, no Arpoador.

Lei 4347/2006 - Proíbe a instalação de criadouros e abatedouros de animais para comercialização de peles no âmbito do Município do Rio de Janeiro.

Lei 4362/2006 - Restringe a aplicação de substâncias desratizantes àquela feita por agentes públicos habilitados especificamente para tal fim, e proíbe a utilização, em áreas públicas ou comunitárias, dessas substâncias tóxicas.

Lei 4457/2006 - Cemitério de Animais.

Lei 4537/2007 - Proíbe a permanência e manutenção de animais doadores de sangue em clínicas veterinárias.

Lei 4731/2008 - Estabelece multa para maus-tratos a animais e sanções administrativas a serem aplicadas a quem os praticar, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, no âmbito do Município do Rio de Janeiro.

Lei 4750/2008 - Proíbe a realização de cirurgia para extração de garras de felinos (onicotomia) no Município do Rio de Janeiro.

Lei 4956/2008 -Dispõe sobre o Animal Comunitário, estabelece normas para o seu atendimento no Município do Rio de Janeiro.

Lei 4963/2008 -Dispõe sobre a assistência às pessoas jurídicas cuja finalidade seja a proteção e/ou a defesa dos animais, desde que comprovado o estado de necessidade.

Projeto de Lei 325/2005 - Proíbe a vivissecção assim como o uso de animais em práticas experimentais que provoquem sofrimento físico ou psicológico, sendo estas com finalidades pedagógicas, industriais, comerciais, ou de pesquisa científica. (VETADO PELO PREFEITO - REAPRESENTADO COMO PL1687/08)

Projeto de Lei 368/2005 - Proíbe o uso de animais para tração ou carga no Município do Rio de Janeiro. (APROVADO NA CAMARA, VETADO PELO PREFEITO)

Projeto de Lei 372/2005 - Proíbe a permanência e manutenção de animais doadores de sangue em clínicas veterinárias.

Projeto de Lei 1576/2007 - Caracteriza a posse responsável como dever de cidadania, proíbe o abandono de animais domésticos ou domesticados em logradouros públicos ou áreas particulares, e dá outras providências.

Projeto de Lei 1844/2008 - Dispõe sobre o direito à Objeção de Consciência - abstenção de qualquer ato ou prática que colida com a consciência da pessoa, referente à experimentação animal.

www.claudiocavalcanti.com/leis_defesa_animais.html