Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Assado de Natal (de soja)


Assado de soja guarnecido com seleta de legumes na margarina
1 peça de "salame" de soja
1 lata ou 1 pacote de seleta de legumes congelados, aquecidos ligeiramente na margarina e sal
Pegar a peça de "salame", e mergulhá-la no shoyo e temperos do seu gosto.
Fritar bem em pouco azeite, virando bem para dourar de todos os lados numa frigideira de teflon.
Servir com arroz branco e salada de folhas

Por que vocês humanos fazem isso conosco?


‎"Olhei para eles e eles olharam para mim em resposta, e era como se me perguntassem: "Por que você está fazendo isso com a gente? 
E você sabe de uma coisa...? Eu nunca encontrei uma resposta...
Eu disse "Eu não sei por que nós estamos fazendo isso" (...)

"Se os animais um dia se organizassem e tivessem uma religião, o ser humano certamente teria o papel de demônio nela."

Gary Yourofsky

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Natal sem mortes...É possível?




FISIOLOGIA DA ALMA
Psicografia de Hercílio Maes pelo Espírito Ramatís
parte4
A Alimentação Carnívora e o Vegetarianismo


Por que motivo considerais que o homem se inferioriza ao selvagem, na alimentação carnívora, se ele usa de processos eficientes, que visam evitar o sofrimento do animal no corte? Não concordais em que o homem também atende à sua necessidade de viver e se subordina a um imperativo nutritivo que lhe requer uma organização industrial?

RAMATÍS: — O selvagem, embora feroz e instintivo, serve- se da carne pela necessidade exclusiva de nutrição e sem transformá-la em motivos para banquetes e libações de natureza requintada; entre os civilizados, entretanto, revivem esses mesmos apetites do selvagem mas, paradoxalmente, de modo mais exigente, servindo de pretexto para noitadas de prazer, sob as luzes fulgurantes dos luxuosos hotéis e restaurantes modernos. Criaturas ruidosas, álacres, e que apregoam a posse de genial intelecto, devoram, em mesas festivas, os cadáveres dos animais, regados pelos temperos excitantes, enquanto a orquestra famosa executa melodias que se casam aos odores da carne carbonizada ou do cozido fumegante! Mas sabei que as poéticas e sugestivas denominações dos pratos, expostas nos cardápios afidalgados, não livram o homem das conseqüências e da responsabilidade de devorar as vísceras do irmão inferior!
Apesar dos floreios culinários e do cardápio de iguanas “sui generis”, que tentam atenuar o aspecto repugnante das vitualhas
sangrentas, os homens carnívoros não conseguem esconder a realidade do apetite desregrado humano! Aqui, a designação de “dobradinha à moda da casa” apenas disfarça o repulsivo ensopado de estômago de boi; ali, os sugestivos “miúdos à milanesa” são apenas retalhos de vesículas e fígado, traindo o sabor amargo da bílis animal; acolá, os “apetitosos rins no espeto” não conseguem sublimar a sua natureza de órgãos excretores da albumina e da uréia, que ainda se estagnam sob o cutelo mortífero. Embora se queira louvar o esforço do mestre culinário, o “mocotó à européia” não passa de viscoso mingau de óleo lubrificante de boi abatido; os “frios à americana” não vão além de vitualha sangrenta, e a “feijoada completa” é apenas um nauseante charco de detritos cozidos na imundície do chouriço denegrido, dos pés, películas e retalhos arrepiantes do porco, que ainda se misturam à uréia da banha gordurosa!
E evidente que se deve desculpar o bugre ignorante, que ainda se subjuga à nutrição carnívora e perverte o seu paladar, porque a sua alma atrasada ignora a soma de raciocínios admiráveis que ao civilizado já é dado movimentar na esfera científica, artística, religiosa e moral. Enquanto os banquetes pantagruélicos dos Césares romanos marcam a decadência de uma civilização, a figura de Gandhi, sustentado a leite de cabra, é sempre um estímulo para a composição de um mundo melhor.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Tender (vegetariano) de Natal



Ingredientes

  • Polenta de grão-de-bico (preparar um dia antes):

  • 2 xícaras de farinha de grão-de-bico
  • 3 xícaras de água ou caldo de legumes caseiro
  • 1 tomate grande
  • sementes de cominho a gosto
  • louro em pó a gosto
  • sal a gosto
  • 2 dentes de alho
  • 1/4 de cebola
  • 1/3 de pimentão vermelho
  • Recheio (fazer um dia antes também):

  • 50 gr de cogumelo shitake
  • 50gr de cogumelo paris fresco
  • 50gr de shimeji
  • 1 cenoura pequena
  • 1 pedaço de salsão
  • 1 cebola
  • 2 dentes de alho
  • sal a gosto
  • Para montar o "tender":

  • massa folhada vegana
  • catchup

    Modo de fazer clique aqui

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Mais uma VITÓRIA da causa animal!


PROJETO DE LEI Nº 479, DE 2009

Regulamenta o direito à informação, assegurado pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990), no âmbito do Estado de São Paulo, relativamente aos rótulos dos produtos e componentes dos produtos que contenham animal ou que tenham sido produzidos a partir de métodos que utilizem animal, sem prejuízo do cumprimento das demais normas aplicáveis.



A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

Artigo 1o - Na comercialização de qualquer produto que contenha animal, componente animal ou que tenha sido elaborado através de método que utilize animal, o consumidor deverá ser informado destas circunstâncias.

Artigo 2o - Tanto nos produtos embalados como nos vendidos a granel ou in natura, o rótulo da embalagem ou do recipiente em que estão contidos deverá constar, em destaque, no painel principal, uma das seguintes expressões, dependendo do caso: "produto de origem animal” ou “componente do produto de origem animal” ou “produto testado em animal” ou “componente do produto testado em animal” ou “produto produzido a partir de teste em animal” ou “componente do produto produzido a partir de teste em animal”.

Artigo 3o - As informações do rótulo deverão estar em língua portuguesa, com caracteres de tamanho e formato que as tornem ostensivas e de fácil visualização.

Parágrafo único - A informação determinada no Artigo 2o também deverá constar do documento fiscal, de modo que essa informação acompanhe o produto ou ingrediente em todas as etapas da cadeia produtiva.

Artigo 4o - Os estabelecimentos comerciais, as empresas, os produtores e os fornecedores abrangidos por esta lei, terão o prazo de 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias para se adequarem a esta norma legal.

Artigo 5o - O não atendimento ao disposto nesta lei, sujeitará o infrator às seguintes penalidades, que poderão ser aplicadas isoladas ou cumulativamente, sem prejuízo das de natureza cível, penal ou administrativa.

I – Multa de dez UFESP por unidade comercializada em desacordo com as normas estabelecidas nesta lei.
II – Suspensão temporária da atividade.
III – Cassação da licença de funcionamento.

Artigo 6o - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Então é Natal!...


♪ ENTÃO É NATAL...

A FESTA CRISTÃ...
DO VELHO E DO NOVO...
DO AMOR COMO UM TODO...

domingo, 16 de dezembro de 2012

Nossos irmãos em evolução


Daniela Marchi

Pai de bondade e amor, não aguento mais
Salva meus irmãozinhos, os animais
Almas tão puras, inocentes
Vilipendiadas, violadas por mãos humanas
Culpadas e incoerentes

Banho de sangue cruel e inútil
Morte por esporte
Morte por vestir
Coisa de gente fútil

Com tantos vegetais coloridos
Deliciosos
Fartos
Sortidos
Para quê matar para comer
Pobres inocentes, indefesos e desvalidos?

Os que alimentam o paladar viciado
São os mais mansos, prestimosos
A morte é o prêmio que ganham
Depois de servir aos humanos
Sem reclamar e de sua missão tão zelosos

Em falar de missão, a humanidade está esquecida
Que sua tarefa é evoluir
E ajudar seus irmãos a progredir

Não existe mais desculpa para de cadáveres se alimentar
Se Deus fez tudo perfeito
Comida variada, limpa, vinda da terra
Livre de dor e sofrimento
Exatamente o que deve comer o homem da Nova Era

Ao passar por um animalzinho
Seu irmão de evolução
Olhe bem em seus olhos
E verá que tem alma e coração

Paremos então com tanta judiação
Façamos do planeta um lar de paz e harmonia
Um esteio de bênçãos
Para o criador se orgulhar de nós, um dia...

sábado, 15 de dezembro de 2012

Não coma nada que tenha olhos...

Meu Deus! Esse olhar é tão semelhante ao humano que dá até arrepios!
Não é bacon, nem linguiça, nem pernil, é um ser que implora misericórdia!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Natal em família ou "A guerra covarde contra os animais"



por Marcio de Almeida Bueno 

Começa então o capotamento coletivo barranco abaixo em direção ao Mortal, digo, Natal. Alguém soprou um apito, tipo guarda de trânsito em proporções mundiais, e as pessoas saem da semiletargia cotidiana para uma agitação que só termina no dia 25 de dezembro, após o meio-dia, com ressaca e muita bagunça na cozinha. Pelo que entendi, uma certa crença religiosa, entre tantas, determina que é dia de celebrar um nascimento, mas – e aí vem o interessante – o rebolado globalizado usa mais outros ícones, mensagens e propósitos. Não importa o calor, tem que haver neve, e o surrealismo segue nos abanando.
Vou pular o clichê do ‘celebrar vida com morte’, combinado? Idem em relação aos sinceros votos de boas festas, direcionados a clientes, vizinhos, colegas de trabalho e demais pessoas a quem se tem velado horror, durante o resto do ano, com sorriso amarelo.
No momento em que uma criança, olhos brilhando na expectativa dos presentes, se vê no meio de uma família que se reúne completa provavelmente somente naquela data, e não pode faltar o peru-leitão-churrasco-’maionésia’-com-ovo-etc, como desfazer o link, anos mais tarde, e propor a não presença deste não-humano não-vivo ali no meio dos avós, tios, madrinha-que-veio-só-para-lhe-ver, pais, irmãos? Seja o não-humano assado, com maçã na boca, enfeite de papel no toco das pernas, ou despedaçado/derretido em forma de matéria-prima para uma culinária que, essa sim, é caprichada para tal importante ocasião. E vai-se cimentando a lembrança boa dos entes queridos reunidos, mastigando aquilo que já citamos acima, rindo fácil pela champagne que corre entre todos, o abrir dos   presentes, o tão sonhado videogame, todo mundo de banho tomado, fotografias protocolares, e às vezes até o cachorro da família participando.
Quer dizer, só o ‘chato’ para depois, na fase adulta da vida, pensar novamente sobre o que seus atos representam, e o quanto eles colidem com o que considera importante, somado a uma leitura aqui, um vídeo que assistiu na Internet acolá, um panfleto que recebeu certa vez de alguém com camiseta preta, e faz-se um novo paradigma. Porque os autômatos aí fora, sonhando em pagar as prestações da caminhonete, ter o cabelo bem liso e um dia ter barriga de tanquinho, apenas abaixam a cabeça frente ao apito cósmico que ouviram, no começo de dezembro. “Eu já comprei os presentes e já dei, para não me incomodar mais”, disse uma velhinha no ônibus, esses dias. Sábia senhora.
Um livro de receitas ‘para o Natal’ é um verdadeiro massacre, e hoje alguns já o folheiam lembrando em quanto aquilo tudo significa em termos de escravidão animal, vida em correntes, separação entre mães e filhotes, confinamento, bretes, aperto, marreta, choque, facas bem afiadas e ‘desenvolvimento do agronegócio’. Mas até mesmo quem se autointitula como alguém que ama os animais se senta a essa mesa-Jogos Mortais. Eu não sento, há anos.
E acordo normal, no dia 25 de dezembro, sem ressaca nem cozinha bagunçada, computando um alívio de 0,000001% na guerra covarde que a humanidade trava contra os animais, e sabendo que não há o que celebrar, mas ainda muito a ser feito. 

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Tumor no seu bife


Não há nessa foto nenhum truque. Tumores na carne são muito comuns. Limpam por fora e a carne será vendida. normalmente. Pergunte a qualquer açougueiro.
Não há nada de errado com um tumor purulento. Cortam  o tumor lavam o pus. Então você vai servir o bife suculento para carnívoros que acreditam que a carne em decomposição de animais é a sua única fonte de proteína. Ficou com nojo?...
Fonte: Facebook

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

O inferno é aqui!

Para esses animais, o inferno é aqui!
Muita gente que se diz ferrenho protetor de animais, acaba protegendo apenas  cães e gatos e não dispensa um churrasco.
Mas pensam que o bife e o churrasco vem de muita muita violência,  sofrimento e dor.
A humanidade precisa evoluir e deixar esse costume da época das cavernas.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Assim começa a sua ceia de Natal...



Perus são selecionadas geneticamente para a produção de carne e para engordar no período mais curto de tempo possível.
Na natureza, eles teriam uma vida natural de aproximadamente 10 anos, mas são abatidos entre 13 - 24 semanas. Neste curto período, crescem quase o dobro do tamanho dos seus antecessores de apenas 25 anos atrás. Como consequência, suas pernas se tornam incapazes de suportar o enorme peso do músculo do peito ou para sustentar a postura normal e os movimentos dos membros.
Condições insalubres e superlotados significa que a doença entre perus comerciais é generalizada, resultando em aproximadamente 2,7 milhões de perus (ou 7% do total) morrendo em seus galpões a cada ano. Pés e  pernas com  deformidades, estresse por calor e fome causadas pela incapacidade de aves imaturas para encontrar os comedouros e  bebedouros são comuns. Pés ulceradas e queimaduras jarrete são comuns - causada pelo contato contínuo com cama contaminada por urina e fezes.
O crescimento acelerado dos perus modernos significa que os machos são agora animais com um peito demasiadamente grande  impedindo-os de reproduzir-se naturalmente.
Perus tem que ser artificialmente inseminadas para reproduzir ... Os machos são "ordenhados" e seu sêmen inserido nas fêmeas através de tubos e cateteres.
Uma vida de intenso sofrimento para essas criaturas inocentes apenas para que os humanos "comemorem" o nascimento de Jesus na "santa (???) ceia de Natal com um cadáver de um gordo peru  no centro da mesa onde oram compenetrados...
*Animal Aid Informações