Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Isaac Singer


"Não haverá justiça enquanto o homem empunhar uma faca ou uma arma e destruir aqueles que são mais fracos que ele"


Isaac Bashevis Singer

domingo, 30 de janeiro de 2011

Pense nisso!!!

Este é o seu casaco de peles dormindo sossegado antes de ser morto a pauladas
Esta é a carinha do seu bacon

Estes dois seres amigáveis são o bife do seu prato

sábado, 29 de janeiro de 2011

10 Mandamentos para Carnívoros que convivem com Vegetarianos

1- Não pense que os vegetarianos são espartanos que se alimentam de cenouras cruas e brotos de feijão

A pergunta que mais ouço é "O que você come?" Esta me deixa desconcertada; o que pode responder uma pessoa que tem uma dieta razoavelmente variada? Eu como espaguete, refogados, humus, cozidos, sorvete de framboesa, minestrone, saladas, burritos de feijão, bolo de gengibre, lentilha, lasanha, espetinhos de tofu, waffles, hambúrgueres vegetarianos, alcachofras, tacos, bagels, arroz com açafrão, musselina de limão, risoto de cogumelos silvestres — o que você come?

2- Aprenda um pouco de biologia

Eu ainda não sei bem o que fazer com pessoas que são inteligentes sob outros aspectos mas acham que uma galinha não é um animal. Só para constar, vegetarianismo significa não consumir carne vermelha, aves, ou peixe — nada que tenha um rosto. Já perdi a conta das vezes em que garçons sugeriram um prato de frutos do mar como entrada "vegetariana".

3- Principalmente se as pessoas forem vegetarianas por razões éticas, não julgue que elas não se importarão com "só um pouquinho" de carne em sua refeição

Você aceitaria "só um pouquinho" de seu gato, ou "um bocadinho" do Tio Jim em sua sopa?

4- Deixe de fazer lobby para a indústria da carne

Parece que os carnívoros pensam que os vegetarianos são como as pessoas que fazem regime e que nós queremos trapacear de vez em quando. Meu pai tem certeza de que se ele conseguir me convencer que sua carne enlatada é uma delícia, eu vou ceder e comê-la. Amigos tentam me fazer experimentar "só um pedacinho" de qualquer prato com carne que eles estejam comendo, partindo da premissa de que é tão bom que é impossível que eu recuse. Há vezes em que penso que os carnívoros aprenderam a fazer pressão com os caras malvados dos filmes anti-drogas que nós assistíamos no ginásio. Ouçam bem: não precisam insistir dizendo que é "ótimo", nós não vamos comer.


5- Quando um vegetariano fica doente, não diga a ele ou a ela que está desnutrido

Dos comentários que ouvi quando tive gripe, vocês pensariam que os carnívoros nunca ficam doentes. Quando eu fico doente, tem sempre alguém esperando para me dizer que é por causa da minha dieta. Na verdade, da mesma forma que existem carnívoros saudáveis e doentes, há vegetarianos saudáveis e doentes. (Por falar nisso, estudos demonstraram que os vegetarianos tem o sistema imunológico mais resistente do que os carnívoros.)


6-Quando estiverem em um restaurante com um vegetariano, tenham paciência- comer fora pode ser um desafio mesmo para o mais consumado vegetariano

Apesar da aceitação em voga da dieta à base de vegetais, a maior parte dos cardápios de restaurantes ainda está repleta de produtos animais. Alguns restaurantes parecem não ter nada a não ser carne em seus cardápios; mesmo as saladas têm ovos ou frango! Não reclamem se seus esforços para determinar os ingredientes exatos do minestrone parecerem paranóia; a experiência nos ensinou que esses interrogatórios à mesa são necessários. Após anos interrogando garçons e garçonetes, descobri que itens descritos como vegetarianos muitas vezes contém caldo de galinha, banha, ovos, ou outros ingredientes animais.

7- Não façam caretas para nossos alimentos

Antes de torcerem o nariz para meu cachorro-quente de soja ou para o tofu, pensem naquilo que vocês estão comendo. Só porque se alimentar de animais é amplamente aceito, isso não significa que não seja uma grosseria.


8- Percebam que nós provavelmente já ouvimos isso antes

Uma das coisas mais engraçadas sobre ser veg é a pessoa que tem certeza de ter o argumento que vai mudar minha maneira de pensar. Quase que invariavelmente vêem como uma destas jóias:
(a) "Animais comem outros animais, portanto porque os seres humanos não o fariam?" (Resposta: A maior parte dos animais que mata para se alimentar não sobreviveria se não o fizesse. Esse obviamente não é o caso com os seres humanos. E desde quando usamos os animais como exemplo de comportamento?)
(b) "Nossos ancestrais comiam carne." (Resposta: Talvez — mas eles também moravam em cavernas, conversavam aos grunhidos, e tinham escolhas muito limitadas de estilo de vida. Supõe-se que nós já tenhamos evoluído desde aquela época.)


9-Apesar da opinião popular, vocês não têm o direito de esperar que os vegetarianos transijam convicções pessoais em nome da "cortesia"

Pessoas que nunca sonhariam em convidar um alcoólatra recuperado para experimentar sua vodca preferida, ou em querer que alguém que levasse uma vida kosher aceitasse um pouco de bacon, acham perfeitamente razoável esperar que eu coma o bolo de carne da tia Maria porque eu o adorava quando criança e ela ficaria muito ofendida se eu não aceitasse um pouco agora.

10-Parem de dizer que os seres humanos "precisam" comer carne

Nós somos a prova viva de que não precisam. Pessoas que sob outros aspectos respeitam minha capacidade de me cuidar recusam-se a acreditar que não tomei a decisão de me tornar vegetariana impulsivamente. Eu fiz muita pesquisa sobre o vegetarianismo — provavelmente mais do que vocês fizeram sobre dieta e nutrição — e estou confiante da escolha que fiz. Vocês conhecem os estudos que demonstram que os carnívoros tem duas vezes mais possibilidade de morrer de problemas cardíacos, 60% mais chance de morrer de câncer e 30% a mais de possibilidade de morrer de outras doenças? Eu não estaria comendo desta maneira se uma extensa pesquisa não tivesse me convencido de que o vegetarianismo é mais saudável e mais ético do que comer carne; uma pergunta mais pertinente seria se você pode justificar a sua dieta.
Fonte: Universo Alimentos

Um vegano campeão de maratonas

Um vegano top 10 na corrida mais difícil do Brasil !
Carne? Leite? Ovos? Não obrigado, sou movido a vegetais!
O sangue de animais dóceis e indefesos não me faz bem.
E é movido a vegetais que um dia cruzarei a linha de chegada da Brazil 135 Ultramarathon em 1º lugar, quem sabe até batendo o recorde da prova. Meu combustível, é a Paz!

http://danielmeyerultramaratonista.blogspot.com/

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Peixe também gosta de carinho

Você já deve ter visto vídeos onde aparecem gatos ou cachorros bem espertos.
Mas um funcionário de uma loja no Cachambi, Zona Norte do Rio, resolveu fazer de um peixe a atração do local.
Paulinho da loja Palavra de Bicho brinca com um Citrinello (Amphilophus citrinellus) este Ciclídeo Midas que ele chama de "Bob" e que vem se deitar em sua mão e até aceita ser tirado do aquário sem esboçar medo.
Repare nas nadadeiras que ficam eriçadas, uma aparente prova de satisfação com o carinho.
A loja Palavra de Bicho fica no Cachambi, na rua Ferreira de Andrade, RJ.

Veja o vídeo abaixo e tire suas próprias conclusões:

http://www.youtube.com/watch?v=MHmkrJcILgc

A maioria das pessoas acha que os peixes não sentem dor e que neles não existem resquícios de inteligência.
Muitos que se dizem vegetarianos, comem carne de peixe.
Ao ser fisgado pelo cortante anzol, o peixe tem dilaceradas suas entranhas. Quem tem prazer em pescar e diz que é ecológico porque devolve o peixe à água depois de pescá-lo, está enganado.
O peixe vai morrer de qualquer forma por causa dos ferimentos.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Leite vegetal


O jornal Wall Street Journal publicou recentemente um artigo onde diz que houve um crescimento na popularidade do leite de amêndoas. Muitas pessoas, não somente os veganos, estão optando por este leite como alternativa ao de vaca e ao de soja pelo sabor e por questões de saúde.
A presença do leite de amêndoas nas prateleiras dos supermercados americanos aumentou em 13% o número de alternativas aos produtos lácteos, segundo o SymphonyIRI Group, uma empresa que realiza pesquisa de mercado sediada em Chicago.
E segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o consumo de produtos lácteos tem caído com o passar dos anos.
Em 1994, a média de consumo per capita de leite de vaca era de 98 litros ao ano. Em 2008, constatou-se que cada cidadão bebia em média 83 litros ao ano.
Por porção, o leite de amêndoas possui os mesmos nutrientes importantes para os ossos: a vitamina D e o cálcio. É também uma excelente alternativa aos veganos que querem reduzir o consumo de soja, ou para aqueles que possuem alergia à soja.
BRASIL
No Brasil, o consumo de leites vegetais além do de soja ainda é baixo. Uma das razões, segundo os consumidores brasileiros, é o preço. Uma caixa longa vida com 1 litro de leite de amêndoas pode custar mais de R$ 10 nos supermercados do país.
A estudante de psicologia Wanessa Teluro, vegana há 4 anos, diz preferir o leite de amêndoas. “O (leite) de soja tem um sabor muito marcante e não me agrada, por isso sempre tomo o de amêndoas”. Mas Wanessa dá uma dica para quem quer tomar o leite vegetal sem gastar muito: “No supermercado é muito caro, então prefiro fazer o leite de amêndoas em casa, gastando bem menos da metade do preço”.
A receita é simples: basta colocar num liquidificador:
- amêndoas (sem sal)
- água
A quantidade varia. Mas coloque a amêndoa e cubra com água. Liquidifique bem por alguns minutos e coe bem utilizando uma peneira ou um pano. Segundo a estudante, o leite pode ser conservado na geladeira por até 2 dias.

Fonte: Vida Vegetariana

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Receita de pão integral

Pão Integral

1 tablete de fermento de pão (15 grs)
3 colheres rasas (de sopa) de açúcar
1 colher rasa (de sobremesa) de sal
Misturar até o fermento se desfazer
Colocar ½ xícara de óleo
3 xícaras de farinha de trigo branca
1 xícara e um pouco mais de farelo de trigo
1 xícara e um pouco mais de farinha de trigo integral
Água morna até dar ponto de amassar sem grudar nas mãos, mais para massa molhada do que seca
Pode-se untar uma forma de pão com óleo e farinha ou então dar forma aos pães e assá-los em forno não muito forte para que fique assado por
dentro e crocante e dourado por fora.
Pode-se substituir uma parte do trigo por aveia, gergelim ou o que quiser para enriquecer o pão.

Kibe, Hamburguer, Steak, Patitas, Cordon, tudo a base de vegetais

Não é propaganda, apenas apresento produtos sem carne para as pessoas que estão pensando em se tornar vegetarianas e pensam que não existem opções.
A Perdigão fabrica Mini Kibe, Hamburguer, Patitas, Cordon, Steak Vegetal à base de proteína vegetal, pensando em uma alimentação balanceada e saudável, sem abrir mão da qualidade e praticidade.
A linha Escolha Saudável é ideal para quem busca uma vida saudável e com muito sabor.
A Perdigão é a primeira grande indústria de alimentos a lançar uma linha completa de produtos à base de soja, composta por Salsicha Vegetal, Hambúrguer Vegetal, Mini Kibe Vegetal, Cordon Verde Vegetal recheado com creme Champignon e Patitas Vegetal. Esse tipo de produto, fabricado tradicionalmente com carne de aves, bovina ou suína, passa a ser produzido também em versão vegetal pela empresa.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Depoimento de um médico - Comer se torna uma prece


Dr. Eduardo Lima é médico (clínico geral), formado pela Universidade Federal de Juiz de Fora há 32 anos. Escreveu esse contundente depoimento pessoal quando parou de comer carne, em julho de 2007. Quando solicitado a dar uma entrevista sobre o vegetarianismo e sobre como se tornou um vegetariano, fez questão de que constasse esse "documento" já elaborado. Desde então, mantém-se firme como vegetariano.

Estou com 55 anos. Tenho artrite, pressão alta, cansaço, dor muscular e articular, gota, má digestão, dor de cabeça e irritabilidade. Não bastasse ser médico e conviver com dezenas destas queixas, me vi
também envolvido por elas. É a idade, penso eu. Passou dos cinqüenta, ninguém agüenta! E assim, como todo cidadão que vai para o trabalho, tomava o ônibus bairro-centro e voltava centro-bairro. Sabem onde moro? No centro. São dois pontos e pronto, cheguei! Mas cadê a coragem, perna, fôlego, disposição para andar oito quadras (mais ou menos 1 Km)?

Mas 55 anos, 1,85 m, 97 kg e dor pra todo lado, vamos de ônibus mesmo. E aos meus clientes recomendando não comer açúcar, carne vermelha apenas nos churrascos, peixe e frango à vontade, evitar o que dá debaixo da terra, cuidado com massas, façam exercício, etc. Como? Se eu, nunca, em dia algum de minha existência, deixei de comer carne. E aí, entenda-se, hambúrguer, salsicha, bacon, linguiça, caldos concentrados (galinha, bacon, carne, camarão), agora o bacalhau, que recentemente descobri, filés, picanhas, chouriço argentino, rabada, buchada, chouriço da roça (cheio de redanha), torresmos, figuinho, simbiquira, língua, peixes diversos, einsbein (prato que me especializei) , miolo (que aprendi a limpar e preparar congelado), assim como a traíra sem espinho.
Médico, cozinheiro e glutão! Sem nenhuma restrição, almoçava no restaurante vegetariano e comia em seguida três espetinhos (vaca, porco e coração), além de pedir um misto pra mim.

55 anos, com uma mãe que cozinhava maravilhosamente e com um pai que chegou aos 120 quilos. Ele apreciava do bom e do melhor no seu prato cheio. Fui criado "saudável" e feliz, com mesa farta. Sustentar a família, para eles, era comer, comer, comer! Carnes, carnes, carnes! Algumas vezes, sendo médico e com reputação a defender, quando me aproximava dos perigosos 100 quilos, entrava no regime. Qual? Dieta revolucionária do Dr. Atkins, à base de carne, queijo e ovos. É gordura queimando gordura. Perdia 10 quilos em trinta dias e ganhava 4 em sete dias. Mas podia comer o que mais gostava, ou seja, carne, queijo, ovos, bacon, torresmos, lingüiças, chouriço...
De repente, após receitar os mais modernos fármacos para reduzir colesterol, triglicérides, ácido úrico, proteger o fígado da esteatose (degeneração gordurosa), que custam até dez reais ao dia e depois de
tentar me livrar do vício do fumo (com o qual luto desde o primeiro maço de cigarros, aos 19 anos), parei de fumar e fiz jejum. Jejum?! Só água no primeiro dia, no outro dia só fruta, no outro, água, fruta,
verdura; no quarto dia... tchan, tchan, tchan! Eu era outro homem. Sem dor nos pés, alegre, feliz, esperançoso. 55 anos, estou na metade de minha existência! Tudo o que fiz, vou fazer melhor, pois já aprendi o caminho das pedras. Eureca! O que aconteceu comigo? Mudou minha cabeça? Parar de fumar (a centésima vez) me ajudou, ou não comer carne os primeiros quatro dias de minha vida me fizeram este bem?

Foi em 18 de julho e jamais me esquecerei. Tudo o que aprendi como médico e carnívoro ruíram nestes quatro dias. Mente sã, corpo são! Pude compreender que não comer carne faz bem e hoje, quase quatro meses depois, posso afirmar o bem que me fez não comer mais carne. Esta é a melhor receita que posso passar a todos os meus pacientes. Romper uma cultura, 10 quilos mais magro, mais ativo, mais saudável, mais alegre e absolutamente sem nenhuma dor, enfrento, em 100% das pessoas para as quais digo que parei de comer carne, o estigma do nem frango, nem peixe? Por que?
Se eu, 55 anos, médico, jamais pensei em ficar um dia sequer sem comer boi ou vaca, porco, javali, frango, galinha, capivara, rã, coelho, paca, tatu, cotia, tartaruga, peixes, crustáceos (camarão, lula,
polvo, sururu, lagostas) e enganado, cães, cavalos, jegues, gatos, e tudo o mais que a cultura humana o permitia. E que prazer! Que sabor!
Sal, alho, cebola, pimenta, louro, canela, cominho, açafrão, salsa, cravo, alecrim... Cachaça, Saquê, conhaque! Todos os temperos para dar gosto às "maravilhosas" carnes. Fruto colhido da morte, de um cessar de vida, qualquer vida que um cutelo, um tiro, uma faca, um porrete, um chucho ou um anzol e uma rede, seguidos da asfixia, nos permitiram descamar, despelar ou descourar e com o nosso poder sobre o fogo, transformar em "iguarias fantásticas", com gosto de sal, alho, cebola, pimenta, louro, canela, cominho, açafrão, salsa, cravo, alecrim, cachaça, saquê, conhaque, vinho, vinagre. Por que?
Se eu, aos 55 anos tive a oportunidade de reconhecer que, em todos estes anos, não me alimentei e sim, me intoxiquei, sou obrigado, pelas oportunidades a mim permitidas e por ser um médico, de recomendar a todos os meus pacientes que deixem de comer carne. Todo o prazer e benefícios da alimentação saudável podem ocorrer com qualquer alimento coletado da natureza, temperados com sal, alho, cebola, pimenta e etc.
Os sabores se multiplicam, os prazeres só aumentam, a culpa desaparece, a saúde é que agradece.

Comer se torna uma prece.

Mas como médico que sou, após este aprendizado procurarei , por todos os meios, lhes deixar o legado.
Como um náufrago na ilha em uma garrafa, uma mensagem enviaria para alguém, que a recolheria.
"Sois o que vós comeis! Se da natureza, colhes os frutos, felizes e alegres sereis.
Se da morte se alimentares, sorte igual então tereis"

Um médico de 55 anos, 31 de profissão, que teve como experiência tornar-se outro homem, ao parar de comer carne, inclusive frango e peixe.
Eduardo Lima

sábado, 22 de janeiro de 2011

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Isso é vida???

O que o ser denominado "humano" faz com as criaturas que repartem o planeta com ele, é algo inominável
As criações de gado, frango, porcos, são lugares muito piores do que Auschwitz

Não existe liberdade, só sofrimento
Tudo é feito para dar lucro e da maneira que gere menos prejuízo, não importa o sofrimento das criaturas
E quanto sofrimento!
Inocentes coelhos acabam cegos de tantas inoculações seguidas em testes de laboratório para cosméticos
Infelizes gansos obrigados a se alimentar até se empanturrarem e o fígado virar uma bola de gordura
Porcas obrigadas a viver a vida toda num ripado amamentando filhotes que serão servidos em ceias de Natal
Transporte desumano em caminhões antes do abate
Animais mutilados quando capturados por pessoas inescrupulosas
Peixes sufocados e atravessados por anzóis pontiagudos
Galinhas confinadas, bicos cortados para não ciscarem e se ferirem umas às outras, obrigando-as a uma vida miserável
Patos forçados a alimentar-se dia e noite até que seus fígados fiquem doentes para a fabricação do "Foie Gras", o patê oriundo do sofrimento e que, devido ao alto teor de gordura, e acaba adoencendo também quem o consome
Chicotes, correntes, jaulas, tudo em nome da diversão dos homens...
Pássaros que não podem voar, condenados à prisão perpétua sem terem cometido delito algum
Animais de circo, tirados de seus habitats para viver uma subvida de privações

Vacas obrigadas a parir e dar leite a vida inteira antes de serem abatidas

Rodeios, onde os maus tratos são evidentes
E fica a pergunta: Isso é Vida?
O que estamos fazendo com nossos irmãos animais é ético? É digno? É justo? É humano?
Um dia seremos julgados por todo esse mal que causamos a eles


Fotos tiradas do site
http://www.veganos.org.br/pelos_animais.htm

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Alimentação & Mente

"Quanto mais o homem simplifica a sua alimentação e se afasta do regime carnívoro, mais sábia é a sua mente"

George Bernard Shaw

Vivissecção - Isso é mesmo necessário?

(cão à espera da vivissecção)
Somos todos iguais!!! É o que diz a música.
Mas claro, estudantes que aceitam serem manipulados por professores insensíveis , indiferentes à dor dos animais, que os consideram apenas objetos descartáveis para estudos pseudoscientificos, não entenderão a mensagem contida: RESPEITO AOS ANIMAIS NÃO-HUMANOS.
Nenhuma mente onde existe a ideia de que respeitar os animais é um princípio básico de uma coexistência de paz e harmonia entre todos os seres vivos é capaz de aceitar o fato de que animais possam ser cortados, costurados, envenenados, asfixiados, queimados, privados de comida e afeto em nome do "progresso da ciência" ou "pelo bem da humanidade".
Sempre pergunto: que bem é esse que almejamos para nós mesmos em detrimento do bem de outras espécies? Por que apenas nós, seres humanos, somos merecedores desse "bem" alardeado por pseudocientistas?
Parece que estes estudantes e esses professores são privados de cérebro e coraçao. Cérebro, porque insistem numa prática já em desuso em muitas universidades do mundo (das 120 escolas de medicina dos Estados Unidos, 100 já aboliram o uso de animais para prática cirúrgica; na Alemanha e Inglaterra, 100% das Universidades já não usam animais há muitos anos).
Sem coração, porque são incapazes de sentir compaixão e por isso, não conseguem ver nos olhos do animal sua vontade de ser livre e viver como qualquer ser humano (e ficam lá, em gaiolas frias de metal, dentro de paredes sujas de sangue dos laboratórios, esperando serem torturados até a morte "pelo progresso da ciência", com o olhos mais tristes do mundo, mas ignorados por olhos frios de uma mente sádica).

(Aqui, o que restou do cãozinho após os "estudos")
(texto recebido pela internet sem o nome do autor)

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Boas notícias - Carne de Laboratório

Carne de laboratório
ONG promete prêmio a possível criador de "carne in vitro"

France Presse, em Washington
A ONG Peta (People for the Ethical Treatment of Animals) informou que vai dar um prêmio de US$ 1 milhão para quem, até 2012, criar um método de produzir carne in vitro que seja semelhante em gosto e aparência à de verdade.
Deve ganhar o prêmio o indivíduo que conseguir desenvolver, produzir em escala comercial e ainda vender carne de frango feita em laboratório. O produto deve estar à venda até 2012 em dez Estados norte-americanos a preços competitivos.
"A produção de carne in vitro poderia usar células-tronco animais colocadas em um meio para crescerem e reproduzirem. O resultado imitaria a carne real e poderia ser cozinhada e comida", afirmou a ONG, em um comunicado.
Segundo a organização, como muitas pessoas "se recusam a deixar seu vício por carne, a Peta deseja ajudá-los a ter acesso a uma carne que não causa sofrimento e morte".
Equipes ao redor do mundo já trabalham para produzir carne em laboratório, mas deve levar algum tempo até que esses produtos cheguem de fato ao mercado. No concurso, dez jurados da ONG vão provar a carne artificial para ter certeza de que a textura e o sabor são semelhantes aos do frango comum.
De acordo com a Peta, a medida tem o objetivo de diminuir o sofrimento animal. "Mais de 40 bilhões de frangos, peixes, porcos e bois são mortos por ano de modos horríveis para gerar comida nos Estados Unidos", diz a organização.
"A carne in vitro poderia livrar os animais do sofrimento. Além disso, a carne in vitro poderia reduzir de modo dramático os efeitos devastadores dessa indústria no ambiente", diz.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Acorda Bicho-Homem!

(foto Jornal O Dia)


Ivana Maria França de Negri

Águas impetuosas
despencam dos céus
lambendo encostas
devorando barracos
e arranha-céus

Nada é poupado
gente, bicho ou planta
Revoltam-se os humanos
e se perguntam: “por quê?”

A natureza age
como há milênios,
sempre igual
Foi o próprio homem
quem dizimou as florestas
desviou cursos de rios
edificou nas ladeiras
destruiu matas ciliares

E agora lamenta a devastação
enquanto contabiliza os mortos
Não é vingança da natureza,
apenas lição...
(

domingo, 16 de janeiro de 2011

A imagem da lealdade


15.jan.2011 - Cachorro "guarda" o túmulo de sua dona, Cristina Maria Cesário Santana, em Teresópolis, morta nas chuvas que atingiram a região serrana do Rio.
Há dois dias o animal não sai do lado do túmulo.

Segundo a agência de notícias France Presse, que registrou a imagem do cachorro neste sábado (15) no cemitério de Teresópolis, o animal está há dois dias no local onde sua dona foi enterrada.

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2011/01/15/cachorro-em-teresopolis-guarda-tumulo-da-dona-morta-nas-chuvas-do-rio.jhtm



Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/861565-cao-ajuda-a-resgatar-corpos-de-seus-donos-em-teresopolis-rj.shtml

O vira-lata Caramelo (nome que lhe deram as equipes de salvamento) ajudou a resgatar os corpos de seus donos, soterrados durante a chuva da semana passada, e não arredou pé da sepultura deles.

Ele vivia com sua dona, Cristina Maria Cesário Santana, e outras três pessoas numa casa do bairro Caleme, um dos mais devastados em Teresópolis. A casa foi soterrada e a família morreu. O cão escapou, mas ficou cavando até localizá-los.

Quando as equipes de resgate chegaram ao local, foram guiadas por Caramelo até os corpos. Ele foi resgatado pela ONG Estimação. Não queria sair do lado da cova de sua dona e agora está muito carente. Pula no colo de qualquer pessoa que se aproxime.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Você é a favor do uso de peles na moda?

Polêmico, uso de peles volta às passarelas.
Material apareceu em coleções de inverno de três estilistas em semana de moda carioca; para ambientalistas, tendência é cruel e desnecessária

(fonte O Estado de S.Paulo)

A temporada de moda mal começou no Rio e já traz, além de tendências para outono e inverno, uma grande polêmica ambiental: o uso de peles verdadeiras. Nos desfiles do Fashion Business - evento paralelo à Fashion Rio, que começou ontem -, pelo menos três estilistas levaram peles à passarela: Carlos Miele, que usou raposa e coelho; Patrícia Vieira, que apresentou roupas de pele de cabra e de coelho, e Victor Dzenk, com peles de chinchila tingidas de rosa, vermelho e azul.

Marcos de Paula/AEPeles em alta. Modelo desfila pela grife Carlos Miele durante a abertura do evento Fashion Business, no Copacabana Palace
O tema é controverso porque o inverno brasileiro é ameno e não haveria razão para o uso de peles verdadeiras. "Não se justifica usar peles no Brasil", afirma Ingrid Eder, gerente de campanha da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA, em inglês). Segundo ela, mesmo os animais que são criados para a produção de pele são submetidos a maus tratos. "Não há morte indolor. As chinchilas são eletrocutadas ou têm os pescoços deslocados. Agonizam conscientes, enquanto a pele é retirada", diz.

A estilista Patrícia Vieira argumenta que não pode usar material sintético porque sua "única matéria prima é o couro", que trabalha desde o curtimento até o acabamento. Mas ela ressalta que só usa "couro abatido pela carne", que é um subproduto. "O que faço é aproveitar o que sobra e usar um acabamento diferenciado. Também não sou a favor de usar animais abatidos só para esse fim e me preocupo com todo o processo. Só trabalho com curtumes que tenham tratamento de resíduos para não agredir o meio ambiente", diz a estilista (leia mais abaixo).

Chiara Gadaleta, consultora de moda, avalia que é "desnecessário o uso de peles verdadeiras nas passarelas". "Nosso clima não pede peças tão quentes. E pensando em uma época onde a moda precisa coexistir, integrar-se com o meio ambiente e com todos os ecossistemas, o uso de peles de animais significa dizer não a essas necessidades", afirma. Ela lembra que existem alternativas para peças de inverno, como técnicas de tricô. A consultora lança amanhã no Rio um instituto para promover a sustentabilidade na moda. "O nosso papel é o de informar e conscientizar, mas a decisão é do estilista", diz.

Os ativistas pelos direitos dos animais ficaram chocados com o uso de peles nos desfiles brasileiros. Nina Rosa Jacob, presidente do Instituto Nina Rosa, afirma que vestir peles no País não faz sentido." Os estilistas deveriam usar materiais que valorizassem nossas verdadeiras origens", diz. Ela conta que em novembro do ano passado foram feitos diversos protestos pelo mundo, até mesmo em Porto Alegre e em São Paulo. O movimento foi chamado de Sexta-feira Sem Pele. "Mas não costumamos fazer protestos em grande escala no Brasil porque o uso não é comum."

Ashley Byrne, da ONG internacional de proteção aos animais Peta, afirma que as peles sintéticas são mais leves, mais duráveis e práticas para cuidar. "É irresponsável e desnecessário usar peles verdadeiras, especialmente num país de clima quente como o Brasil."

Negócio. Apesar do clima, o uso de peles é um promissor negócio no Brasil. O País é o segundo maior produtor de peles de chinchila, atrás da Argentina. São cerca de 500 fazendas que abatem e comercializam em torno de 40 mil peles por ano.

O deputado federal Ricardo Tripoli (PSDB-SP), autor de um projeto de lei que proíbe o abate de chinchila para o comércio da pele, afirma que já participou de apreensões de animais até em São Paulo. "Eram 400 chinchilas, confinadas em gaiolas num apartamento no Bom Retiro", conta. Para o deputado, o uso de peles na moda brasileira é um retrocesso.

Mas as peles ainda têm um público cativo. O empresário Luiz Mori é proprietário do Atelier de Peles, que há mais de 60 anos armazena casacos de pele natural de famílias tradicionais de São Paulo. Além de guardar as peças, ele faz manutenção e reformas.

Cada peça pode custar de R$ 4 mil a R$ 20 mil, mas existem casacos de até R$ 100 mil, feito de zibelina russa. "Quem armazena os casacos são famílias ricas. Antes, a classe média também usava, mas está surgindo uma nova classe média que não usa."

Para o empresário, a pele natural e a sintética são "bem diferentes". "A pele natural tem qualidade superior. É muito mais chique que a sintética."



Se causar sofrimento for chique, estou fora!!!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Vegetarianos em Viagem - Londres

Vegetarianos em Viagem – Londres

Quem for vegetariano/vegano e pretende conhecer o Reino Unido, se prepare para muitas surpresas agradáveis!
Londres é encantadora, e os moradores têm um estilo de vida único.


Um brinde à gastronomia vegetariana ! No inverno londrino começa a anoitecer às 15h30 e às quatro da tarde já é noite fechada.
Amanhece bem tarde também. Os dias são curtos e as noites longas.

Mas isso não impede que todo mundo saia às ruas, com frio, chuvisco e até neve. Circulam com carrinhos de bebês, crianças, e os idosos também não ficam em casa e lotam os Pubs, Cafés, Restaurantes, Museus, Teatros e Cinemas.
E a gente nem sabe se estão lanchando, almoçando ou jantando, pois tudo fica lotado em todas as horas do dia e da noite.

Eu estava receosa a respeito da alimentação lá, pois sei que a carne de carneiro é prato típico da Inglaterra. Morri de pena, ao ver pela janela do trem, que nos levou à Escócia, milhares deles pastando na neve, e os riachos congelados. Espero que os produtores sejam piedosos e só façam a tosquia no verão.

Mas graças a Deus, constatei que todos os restaurantes possuem opções vegetarianas. É só procurar pelos pratos com um “V”(Vegetarian)

Embalagem de pão vegano, sem gordura animal , com o "V" característico na embalagem

A maioria dos supermercados possuem gôndolas exclusivas de produtos vegetarianos. Inclusive, os restaurantes tradicionais que servem comida típica, oferecem o mesmo prato na versão VEG.
A salsicha de carneiro com purê de batatas e molho, tem a versão VEG (é só pedir) com deliciosas salsichas feitas com grãos e temperadas com saborosas ervas e condimentos.
O hambúrguer de lentilhas, bem temperado e apimentado, é manjar dos deuses.


Sanduiche de carne vegetal, muito bom, em Liverpool. E o suquinho de laranja, vitamina C que não deve faltar numa alimentação vegetariana já que essa vitamina ajuda a fixar o ferro no organismo.
Talvez a causa de tantos vegetarianos na Inglaterra seja um pouco por influência do ex-Beatle Paul Mac Cartney, vegetariano há décadas e defensor atuante da causa animal
Não sei se todos têm conhecimnento, mas podem ter comida vegetariana no avião. É só pedir na agência de viagens que solicite na companhia aérea o cardápio diferenciado.
No The Cavern Club, em Liverpool, onde os Beatles iniciaram sua carreira

Pizza é sempre pizza - uma preferência universal
Não gosto desse chapéu da Guarda Real Britânica. É feito de pele de ursos...

Espero que um dia, não tão distante, eles sejam fabricados com peles sintéticas



Stella Mc Cartney, filha do Paul, luta para que essa substituição seja feita o mais breve, e até bolou um chapéu ecológico, vejam aqui:



Pão VEG sem gordura animal - Hum!!!

Embalagem de sanduiche com o "V"



Uma preocupação constante com o ecologicamente correto - guardanapos 100% de fibras recicláveis

Sabonete feito com óleo de oliva, sem gordura animal também