Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

domingo, 26 de dezembro de 2010

Ahimsa


Ivana Maria França de Negri

Palavra que vem do sânscrito, o contrário de violência, ahimsa é a não-violência. Mahatma Gandhi tornou-se célebre por colocar na prática essa filosofia.
A base desse pensamento é não praticar nenhum ato que envolva violência contra qualquer criatura vivente, seja ela humana ou animal.
Muito já escrevi sobre maus-tratos aos bichos, histórias engraçadas envolvendo animais, outras tristes, já abordei assuntos polêmicos sobre a existência de alma neles, já polemizei sobre o vegetarianismo, que é uma opção salutar de quem se recusa a fazer uso da carne em sua alimentação, e também descrevi minhas experiências no trabalho voluntário na Sociedade Piracicabana de Proteção aos Animais.
Já fui enaltecida e parabenizada, mas também muito criticada e contestada. Mas não pretendo abandonar as convicções que trago enraizadas fortemente comigo.
A todo momento a mídia nos mostra exemplos da incapacidade humana de praticar ahimsa. Animais de circo são explorados e adestrados sob tortura, cobaias são vítimas, em nome da ciência, de experimentos dolorosos em laboratórios. Rodeios, touradas, rinhas de galos e de cães multiplicam-se para que alguns se enriqueçam com esses circos de horrores. Rituais macabros são realizados em certos cultos religiosos que usam sangue de animais e imolam inocentes criaturas. Caçadores e pescadores fazem da morte um esporte. Animais silvestres são capturados para prover o tráfico ilegal. Pássaros são aprisionados em minúsculas gaiolas, cavalos puxam carroças sem o mínimo conforto, muitas vezes levando peso muito além de sua capacidade, sendo chicoteados violentamente.
Para abastecer o mercado de peles e da vaidade humana, milhares de animais são mortos de maneira impiedosa. Filhotes de focas são abatidos a pauladas sob as vistas de suas desesperadas mães, outros são presos em armadilhas cruéis e depois afogados para não estragar a pelagem ou são executados por descarga elétrica que causa parada cardíaca. Alguns recobram a consciência enquanto ainda estão sendo esfolados. Por que o uso de peles é considerado chique? Como pode a violência ser elegante?
Outra morte cruel é reservada às baleias. Um poderoso arpão é cravado em sua carne, e em seguida, explosivos são acionados dentro dela. As baleias levam horas para morrer e ficam agonizando enquanto os barcos de pesca as arrastam deixando um rastro de sangue. Quando mães são arpoadas, os filhotes ficam perseguindo os barcos e ouve-se de longe seu grito de desespero ou o lamento choroso das mães ao verem os filhotes mortos.
Nos abatedouros o cenário de horrores é dantesco e indescritível. E o homem se diz um ser racional, inteligente e criado à imagem e semelhança de Deus. Também se auto-intitula um ser de paz. Quanta ironia!
A proteção aos animais não deve ser restrita apenas aos cães e gatos e sim se estender a todas as criaturas que dividem conosco o planeta Terra.
Encerro com a sábia citação de Pitágoras: “Enquanto os homens continuarem a ser destruidores impiedosos dos seres animados dos planos inferiores, não conhecerão a saúde e nem a paz. Enquanto massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor”.

sábado, 25 de dezembro de 2010

Gandhi


"Aquele que não conseguir enxergar Deus no ser que cruzar o seu caminho, pode desistir de procurar por ele."



Mahatma Gandhi

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Uma Ceia de Natal Diferente!


http://www.vidavegetariana.com/site/natal.php?page=especiais/natal/colunista


(continho para crianças)


Como acontecia todos os anos, às vésperas do Natal, os animais da fazenda ficavam aflitos esperando para ver quem seria a próxima vítima.
O pato viraria pato-no-tucupi? Ou a dona galinha, separada dos seus pintinhos, seria servida ao molho pardo? Ou o pobre carneiro se transformaria em antepasto?
Ou seria o boi que viraria filé ou medalhão ao molho madeira na ceia daquele ano?
O porco tremia todo e soluçava:
- “Buá! Não quero virar presunto, salsicha, pernil, torresminho e nem bacon!”
E o peru, coitado, era quase certo que se elegeria o prato principal, no centro da mesa, com a barriga recheada de farofa. Era o que mais tinha medo nesses dias, e choramingava como um bebê, sem se conformar com a triste sorte.
- “Por que os humanos comemoram o Natal desse jeito? Somos inofensivos, não fazemos mal a ninguém. Só queremos viver! "
O Menino da manjedoura, o aniversariante desse dia, certamente não gostaria de ser festejado com mortes, já que aniversário é uma celebração da Vida.”
Sossegados mesmo, só estavam o cão, o gato, e o papagaio da fazenda. Com eles a coisa era diferente. Tinham lugar para dormir, comida gostosa e carinho. Não precisavam ter pesadelos com a cozinheira e suas horríveis panelas.
- “Isso é discriminação!”, coaxou o sapo na lagoa. “Para uns carinho e para outros a panela? Protestemos! Vamos ver o que dizem as leis dos direitos dos animais!”
- “Eu também gosto de carinho”, disse lacrimejando o carneirinho. “Por que ninguém me faz um afago?”
Todos os animais estavam unidos nessa hora tentando entender o comportamento dos humanos. A lei dos direitos dos animais valia só para os animais de estimação. Que pena...
Mas naquele ano, tudo seria diferente!!!
Eles nem imaginavam que Matheus, um menino vegetariano de 11 anos, vinha passar o Natal na fazenda e mudaria para sempre aquela tradição medonha.
Matheus era um garoto muito esperto, inteligente e de bondoso coração. Tinha um cachorro e vários gatos. Amava todos os bichos e não se conformava com o fato de as pessoas dizerem amar os animais, mas devorarem seus corpinhos nas refeições.
Não querendo mais compartilhar desse ritual horroroso, resolveu se alimentar apenas de frutas, legumes, verduras e grãos. Havia tanta fartura de alimentos nesse mundo! Não achava necessário aquela matança inútil. Era só uma tradição boba que podia ser mudada.
Assim que chegou na fazenda, contou aos primos do sofrimento dos bichinhos até chegar à mesa sob a forma de comida. Falou da indústria da carne, uma das mais cruéis, da aflição que os animais sentiam ao subir os degraus do matadouro e do triste fim que era dado a eles.
Todos se surpreenderam com tudo o que Matheus contou e derramaram lágrimas com ele. Nunca haviam pensado nisso, e agora alguém os alertava para a injustiça dessa tradição milenar, que era passada de geração em geração.
Resolveram que naquele ano o Natal seria diferente!
Comunicaram aos pais, tios, primos, avós e amigos, que eles mesmos iriam preparar a ceia e que todos aguardassem a grande surpresa.
Cochichos de lá, segredos de cá, e a véspera de Natal estava chegando.
Enquanto isso, os animaizinhos, em polvorosa, estavam com muito medo do destino que os aguardava.
Mas qual não foi a alegria deles quando as crianças contaram o grande segredo!
Todo mundo sabe que crianças e animais conseguem se comunicar, mas muitos adultos não compreendem e por isso ignoram.
O Natal daquela família se transformou no melhor Natal de suas vidas.
Todo mundo reunido em volta de uma mesa colorida, de pratos leves, saudáveis, e o melhor de tudo: sem mortes!!! Aquilo sim era um Natal de Paz e de Amor!
Mariana preparou uma bela macarronada com suculento molho de tomates.
Edu fez várias pizzas vegetarianas de dar água na boca.
Clara sabia fazer saladas e molhos muito bem. E a Talita preparou o que mais gostava: batatas fritas pra todo mundo!
Sem contar que Mikaela trouxe salgadinhos de soja pra ninguém botar defeito. Uma delícia!!! Quibes, coxinhas, esfirras, empadinhas, tudo à base de vegetais!
E as sobremesas? Pavês, compotas de frutas, pudins, sorvetes e um pratão de brigadeiros para completar.
Só sei que a ceia ficou deliciosa, e todos se deliciaram com as gostosuras. E certamente o Menino Jesus abençoou aquela família e os animaizinhos tiveram pela primeira vez, em séculos, um Natal de PAZ! Céu e terra estavam em comunhão porque havia harmonia entre todas as criaturas que dividiam um lugarzinho na Terra.
Era o início de uma nova Era de PAZ, AMOR e FRATERNIDADE.
Feliz NATAL VEGETARIANO para todos vocês!!!

Autora: Ivana Maria França de Negri

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Salsicha, tender, hamburguer, linguiça, salame, tudo de soja!

(clique na imagem para ampliar)

Aqui você encontra os mais variados embutidos vegetarianos para suas receitas. Se em sua cidade não tem, entre em contato. São excelentes e deliciosos!

Feliz Aniversário, Redentor!

NATAL SEM MORTE

600.000.000 serão assassinados antes do Natal de 2010. Uma destas vidas depende de você, de sua compaixão e humanidade. Se você deseja salvar a vida de um de nossos inocentes e pacíficos irmãos menores, não coma os corpos, nem beba o sangue dos seres do ar, da terra e da água.
Neste Natal recuse-se a participar da mesa da crueldade e covardia. Não coma cadáveres! O Salvador veio para dar vida e não tirá-la. Ele é o redentor de todos os seres do universo, e, certamente, não gostaria que o seu nascimento fosse comemorado com o massacre de seres indefesos. Alegre-se sem trazer dor e morte aos nossos irmãozinhos, que em muito dependem de nós.

Feliz Aniversário, Redentor!

Salgadinhos Vegetarianos


Para festas e confraternizações, deliciosos e bem temperados salgadinhos à base de soja. Contato com Geni.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Homenagem aos Protetores de Animais

Por você REALMENTE voluntário, que com tantos compromissos agendados, não ficou indiferente diante de um animal atropelado, sarnento, esfomeado, abandonado. Por você voluntário, que teve seu descanso interrompido para socorrer um animal aos gritos ...

Por você que desceu ribanceira, correu na chuva, atolou na lama ...

Por você voluntário, que mesmo sem espaço, acolheu mais
um animal abandonado ...
Que diante de um gemido de um cão, ou de um gato, não teve seus ouvidos tapados...

Por você que diante de um animal teve compaixão
Que curou feridas, vacinou, castrou, amou

Por você voluntário, que nunca escondeu a emoção

Que chorou, que sofreu ao lado de um cão

Que criou mais braços e pernas para alcançar soluções

É por você voluntário, que o mundo animal tem se tornado menos pior

É por você que inúmeros miaus e aus aus, se espreguiçam ao sol

Brincam na grama, abanam a cauda, atendem por um nome

E é através de você voluntário, de sua ação, que muitos animais tiveram oportunidade de reabilitação, conseguiram um lar, um brilho de alegria no olhar

A todos os voluntários,
rendo minha singela homenagem

Pelo seu amor, dedicação e coragem.

Deus abençoe toda mão que trabalha pela Divina Criação

Parabéns a todos REALMENTE voluntários!

(autoria desconhecida)

domingo, 19 de dezembro de 2010

Cabrito de Natal - Cassio Negri

Cabrito de Natal
Cássio Camilo Almeida de Negri

Era uma época em que as casas ainda eram lares. Havia quintal com galinhas, galo, horta e até outros pequenos animais.
O menino tinha uns dez anos quando seu tio trouxe um cabrito bem filhote, que ainda mamava na mamadeira.
O garoto pulava de alegria ao ver o pequeno e indefeso animal que mal podia andar. Tirado que fora da mãe, ainda bebê, estava afoito para encontrá-la e berrava desesperado enquanto o menino o afagava no colo.
Os olhinhos inocentes dos dois seres se encontraram e o garoto foi adotado e adotou o pequeno animal, não sei se como pai, como mãe, ou como os dois ao mesmo tempo.
Ficou como obrigação diária dar a mamadeira ao animal, e ele foi crescendo rapidamente.
O inocente filhote de homem, todos os dias passava os dedos na gengiva careca do caprino, até que um dia, muito feliz, foi correndo e gritando avisar a mãe que os dentinhos inferiores e superiores estavam nascendo. Quando colocava o dedo para a palpação gengival, o pequeno, pensando ser o bico da mamadeira, tentava sugá-lo.
O tempo passou lentamente até que o cabrito, já maior, vinha berrar bem cedo debaixo da janela do menino, como a chamá-lo, e o menino saía pela janela e um corria atrás do outro. O cabrito saltitava feliz dando pequenas cabeçadas no garoto.
Poucos meses depois, numa das cabeçadas, o menino percebeu os dois chifrinhos começando a despontar, o que o levou a ter mais cuidado nas brincadeiras das cabeçadas.
O pequeno Bito, assim era seu nome, passou a comer de tudo e gostava muito de mascar as roupas que puxava do varal, causando desespero à Sebastiana, a empregada da família.
Assim, chegou o mês de dezembro, e lá pelo meio do mês, seu tio comunicou que era hora de abater o pequeno ser, que foi amarrado pelas pernas e imolado. Enquanto a faca penetrava o tórax do bichinho, tentando acertar o coração, este berrava com todas as forças, até que finalmente silenciou quando o órgão vital foi acertado.
Então, seus olhos se fixaram nos do menino, lágrimas correram, seus movimentos pararam e os olhos permaneceram abertos, pupilas dilatadas, como a dizer:
- Meu amigo, você me traiu...”
Desde então, o garoto, já homem, quando chega o Natal, ao olhar a manjedoura e o cabrito ao lado do Menino Jesus, sente de novo aqueles olhos suplicantes fitando os seus e repetindo “traidor!...”

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Minhas receitas - Sugestão de cardápio para Ceia Vegetariana

Sugestão de Cardápio Natalino Vegetariano

Salpicão de nozes e passas



Passar no processador 1 pepino com casca, 1 cenoura, talos de salsão, repolho roxo e repolho verde e ½ cebola. Temperar com limão, sal, e maionese a gosto. Por último colocar nozes picadas e passas. Enfeitar com as folhas do salsão e rodelas de rabanete.


Maionese vegana (sem ovos e leite)
Bater no liquidificador 1 xícara de leite de soja, mais 1 ½ xícara de óleo de canola (acrescentar aos poucos ) e sal.

Risoto de Tomate Seco e Manjericão

Meio pacote de arroz arbóreo, próprio para fazer risoto. Refogar bem o arroz em azeite com meia cebola ralada. Colocar água fervente e quando estiver no ponto, colocar o tomate seco picado, meia xícara de queijo parmesão ralado e por último as folhinhas de manjericão. Tem que servir quente.

Almôndegas ao sugo com champinhon
(porpetas de soja com molho de tomates e cogumelos)

Fazer os bolinhos da seguinte maneira:
3 xícaras de soja moída. Hidratar. Apertar bem para tirar a água e temperar com shoyo, chimichurri e 1 pacote de sopa creme de cebola. Fazer as bolinhas e se precisar dar liga para enrolar, colocar trigo. Fritar em óleo quente e fazer um molho de tomates com champinhons refogados e mergulhá-las nesse molho.
Pode servi-las com arroz ou também pode incorporar numa massa (ravióli, pene, etc)

Assado de Natal:

1 peça de mortadela de soja inteira. Fritar em azeite e shoyo virando sempre até ficar com a casca dourada. Numa travessa corta-se algumas fatias e guarnece-se com legumes variados cozidos na manteiga e folhas de alface. Fica um prato lindo!


Farofa fria

4 tomates bem picadinhos
1 cebola picada
salsinha e cebolinha picadas
4 ovos cozidos picados ( pode substituir por grãos de milho cozido)
azeitonas picadas
2 copos de farinha de milho branca
sal
1 copo de óleo ( com sal e um pouquinho de vinagre)

Misturar tudo muito bem, esfarelando com as mãos e servir.
Se quiser uma farofa mais sofisticada, coloque uvas passas e pêssego em calda picados.

Bolo de legumes

3 ovos inteiros
sal a gosto
1 xícara ( chá ) de óleo
1 xícara ( chá ) de leite
1 colher ( sopa ) de fermento Royal
2 colheres ( sopa ) de queijo parmesão ralado
13 colheres ( sopa ) de trigo

Misture tudo
Recheio:
2 ou 3 ovos cozidos picados
Azeitonas pretas e verdes picadas
3 ou 4 tomates picados
Palmito picado
1 lata de ervilhas
Bastante cheiro verde picado
Pimentão picado
Refogue os legumes, tempere e misture à massa levemente.
Pode-se servir quente ou gelado em quadradinhos.

Outras sugestões: panquecas de espinafre, cuscuz de legumes, salada de macarrão, torta de palmito, suflê de brócolis, quibe de soja assado de bandeja.

Bebidas:

Fanta Natural ( rende 5 litros)

4 cenouras médias raspadas e picadas
casca amarela de uma laranja madura
1 copo de suco de limão
açúcar a gosto ( mais ou menos 250 grs )
3 litros e meio de água mineral gaseificada

Coloque no copo do liquidificador as cenouras, a casca de laranja, o suco de limão e bata bem. Coe numa peneira fina, coloque o açúcar, mexa bem e por último, a água. O resíduo pode ser usado para fazer geléia ou bolo de cenoura. Ë importante usar só a parte amarela da casca da laranja, pois a parte branca, amarga a fanta.

Ponche sem álcool

½ litro de groselha
500 ml de suco de uva
5 garrafas de água mineral gaseificada de 500 ml ( 2 litros e meio)
Frutas diversas picadas – uva Itália, abacaxi, maçã
Fazer quase na hora de servir.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

"Comemorando" o Natal...

Para ele o Natal significa apenas uma coisa: morte...
É assim que as pessoas comemoram o nascimento do Menino Jesus...

Com violência e morte em seu prato...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Pythagoras


"Enquanto o homem continuar a ser o destruidor dos seres animados dos planos inferiores, não conhecerá a saúde nem a paz. Enquanto os homens massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor. "

Pythagoras

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Lançamento do filme - VEGANA


Novo filme - VEGANA
Assista ao trailler aqui:


http://www.youtube.com/watch?v=3cD_eG1Ngio&feature=player_embedded

O Instituto Nina Rosa, organização independente e sem fins lucrativos, que atua na valorização da vida animal, fará uma exibição especial na sexta-feira dia 17 de dezembro, da animação Vegana, do cartunista brasileiro Airon Barreto, diretor do estúdio Cosmic.

O ator e dublador Mauro Castro, a atriz Selma Egrei, a artista circense Gabriela Veiga e o músico Fernando Fanitelli, estes dois últimos membros da banda Teatro Mágico, participaram voluntariamente da dublagem da animação.
O argumento e o roteiro foram escritos por Nina Rosa, fundadora da ONG, Alexandra Lima G. Pinto, professora do Curso de Imagem e Som da UFSCar, e Sonia Felipe, professora de filosofia e ética da UFSC.

O Instituto Nina Rosa possui outros sete filmes sobre a vida animal: Fulaninho, o Cão que Ninguém Queria, Vida de Cavalo, O Gato Como Ele É, Olhar e Ver, Criando um Amigo, Não Matarás – os animais e os homens nos bastidores da ciência e A Carne é Fraca. Estas produções têm o objetivo de sensibilizar, educar, contribuir para que o amor permeie as consciências das pessoas e se irradie para os animais.

O filme Vegana, em breve, também terá sua versão em história em quadrinhos.

Sobre Airon Barreto

Diretor de roteiro e animação, cartunista e Iilustrador, Airon foi diretor de animação e roteiro do Estúdio Maurício de Sousa, onde dirigiu vários curtas, vinhetas e comerciais. Atualmente, é sócio-diretor do estúdio Cosmic, onde produziu curtas animados, com personagens próprios: Os Babões, veiculado na TV Mulher e Mãe e na TV Minuto. Este ano, ganhou Troféu HQMIX, como melhor cartunista de 2009.

Ficha Técnica:

Gênero: Animação
Duração: 55 minutos
Ano de Lançamento: 2010
Classificação indicativa: 12 anos
Argumento e Roteiro: Instituto Nina Rosa
Produção Executiva e Realização: Instituto Nina Rosa
Direção: Airon Barreto
Estúdio: Cosmic Cartoons
Produção: Deise Ueda
Música: Fernando Feresin e Caio Petrônio
Dublagem: Mauro Castro (Reinaldo – pai da Luka), Selma Egrei (Ana – Mãe da Luka), Priscila Tessuto (Luka), Gabriela Veiga (Bia) e Fernando Fanitelli (Veterinário)
Sinopse: Luka é uma adolescente de 16 anos que aprendeu com sua tia Vera o valor e o respeito por cada ser vivo. Ela movimenta a família e a escola com suas restrições à exploração animal. Ela conseguirá fazer com que até seu pai, um homem resistente a novas idéias e às mudanças de hábitos, repense alguns valores e práticas.

Serviço:

Exibição especial da animação Vegana
Data: sexta-feira, dia 17 de dezembro de 2010.
Horário: 19h00.
Local: Cine Belas Artes – sala Candido Portinari (250 lugares).

Mais informações:

Marione Tomazoni – marionetomazoni@cinnamon.com.br
Nathalia Montecristo – nathaliamontecristo@cinnamon.com.br
(11) 3062-2015

Com informações da ANDA

O filme é composto de 12 episódios que podem ser vistos individualmente, na sequência abaixo:

episódio 01 - Inspiração - http://bit.ly/gzJF6n
episódio 02 - Manifestação - http://bit.ly/ezMMTX
episódio 03 - Escola - http://bit.ly/dHZWkl
episódio 04 - Ninhada - http://bit.ly/gUN1qR
episódio 05 - Habitantes das águas - http://bit.ly/gs3uQa
episódio 06 - Almoço vegano - http://bit.ly/ifCN1G
episódio 07 - Circo - http://bit.ly/fajKoE
episódio 08 - Compras - http://bit.ly/hvAoPB
episódio 09 - Abate "Humanitario"? - http://bit.ly/hYIAF4
episódio 10 - Denúncia - http://bit.ly/e9Y9fh
episódio 11 - Tradiçoes - http://bit.ly/ereUUe
episódio 12 - Despertar - http://bit.ly/g99FHg

Dentro de alguns dias será possível adquirir o DVD na Loja virtual do INR: http://www.institutoninarosa.org.br/loja

Eles são nós e nós somos eles


"Olhe no fundo dos olhos de um animal e, por um momento, troque de lugar com ele. A vida dele se tornará tão preciosa quanto a sua e você se tornará tão vulnerável quanto ele. Agora sorria, se você acredita que todos os animais merecem nosso respeito e nossa proteção, pois em determinado ponto eles são nós e nós somos eles."

Philip Ochoa

domingo, 12 de dezembro de 2010

Prefeito de Nova Friburgo sanciona Lei que proíbe rodeios na cidade

Prefeito de Nova Friburgo sanciona lei que proíbe rodeios

O prefeito em exercício Demerval Barboza Moreira Neto, mostrou-se sensível à causa da defesa dos direitos dos animais e sancionou, no último dia 02/12, a lei municipal que proíbe a realização de rodeios, touradas e eventos similares no município de Nova Friburgo, interior do Rio de Janeiro.

Parabéns ao prefeito em exercício, aos vereadores que aprovaram a lei por unanimidade nas duas votações realizadas na Câmara e aos protetores do município envolvidos, em especial à Coordenadoria de Bem-Estar Animal (COOBEA), órgão da Secretaria do Meio Ambiente bastante atuante na cidade e região, que tem à frente a sra. Carla Freire.
E-mails para contato:

Prefeito: sgabinete@pmnf.rj.gov.br
Coobea: coobea.nf@gmail.com
Vereadores:
claudiodamiao@camaranf.rj.gov.br
edsonflavio@camaranf.rj.gov.br
isaquedemani@camaranf.rj.gov.br
jorgecarvalho@camaranf.rj.gov.br
lucianofaria@camaranf.rj.gov.br
manoeldopote@camaranf.rj.gov.br
marcelo.verly@camaranf.rj.gov.br
marcosmedeiros@camaranf.rj.gov.br
professorpierre@camaranf.rj.gov.br
reinaldorodrigues@camaranf.rj.gov.br
renatoabiramia@camaranf.rj.gov.br
sergioxavier@camaranf.rj.gov.br

Veja abaixo o teor do lei aprovada:

LEI MUNICIPAL Nº 3.883

A CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei Municipal

PROÍBE A REALIZAÇÃO DE RODEIOS, TOURADAS OU EVENTOS SIMILARES QUE ENVOLVAM MAUS-TRATOS E CRUELDADES CONTRA ANIMAIS NO MUNICÍPIO DE NOVA FRIBURGO

Art. 1º - Fica proibida, em todo o Município de Nova Friburgo, a realização de rodeios, touradas ou eventos similares que envolvam maus-tratos e crueldades contra animais.

Art. 2º - Esta Lei Municipal entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Nova Friburgo, 02 de dezembro de 2010.

DERMEVAL BARBOZA MOREIRA NETO
PREFEITO


______________________________, Vereador Sérgio Xavier de Souza - Presidente.

______________________________, Luciano Faria - 1º Vice-Presidente.

______________________________, Manoel Martins - 2º Vice-Presidente.

______________________________, Edson Flávio Coelho - 1º Secretário.

______________________________, Reinaldo Rodrigues - 2º Secretário.

AUTORIA: VEREADOR MANOEL DO POTE – P. 5.987/10


Vejam abaixo vídeo comprovando maus tratos:

http://www.youtube.com/watch?gl=BR&hl=pt&v=N9lYAiKCzE0

Carne Viva

(carne de cachorro consumida e vendida livremente na China)
CARNE VIVA
Por: Affonso Romano de Sant’Anna

Hipocritamente durmo na madrugada enquanto bois são abatidos nos frigoríficos da manhã.
Durmo hipocritamente sem ver o sangue que escorre pelas calhas da noite e começam a subir, ondeando, pelos pés de minha cama. Durmo sem ver o olhar do boi no matadouro. O olhar. O berro. A morte.

Tapo os ouvidos, mas os grunhidos dos porcos rasgam o pêlo da noite. O sangue espirra do curral da madrugada e homens ávidos vão desenrolando as tripas da fera, que estrebucha, para convertê-las em lingüiça que hipócrita e porcamente me serão servidas.
Uma vez contaram-me como se matam gansos na França. Os bois, a gente pode pensar, levam aquela pancada súbita na cabeça e desmontam sua carcaça no ladrilho. Mas os gansos são cevados, como se cevam os frangos.

Os frangos sabem que vão morrer nos campos de concentração vigiados pela SS dos frigoríficos. Mas os gansos conhecem o martirológio dos santos e penitentes.
Começam a engordá-los. Ou, pior: cevá-los forçadamente.
Os frangos, sabemos, são alimentados também artificiosamente; deixam aquelas luzes acesas noite e dia, e eles comendo, bicando, comendo, bicando os segundos, bicando os minutos numa engorda rápida e lucrosa.

Mas os gansos são agarrados à força. E então começa-se, por um funil, a socar para dentro deles a ração. Um funil ou moedor para que a comida já vá direta para dentro, chegue mais rapidamente ao fígado que, em forma de patê, colocarei em minha mesa no fim de semana na casa de campo.
Mas não é sobre gansos que estou escrevendo especificamente e sim sobre a carne que para mim se prepara na escuridão hipócrita de minha fome.

Na infância todo mundo (pelo menos no interior e antigamente) havia sempre uma galinha que alguém começou a matar na cozinha. E foi cortar o pescoço dela, tendo asas presas sob os pés contra o ladrilho, e, de repente ela se soltou. Soltou-se e saiu com o pescoço pendurado jogando sangue pelas paredes até expirar no degrau para o quintal.
Há quem vá aos restaurantes especializados em peixes, porque quer ver o peixe vivo, o peixe que vai escolher no aquário. E aponta-lhe o dedo, “quero aquele ali”, e se senta à mesa, enquanto na cozinha jogam lagostas vivas na água fervente e a champanha espuma sua indiferença na taça dos ricos.
Carne deveria dar em árvore.

Mas um dia me mostraram uma árvore que sangra. Meu caseiro espetava-lhe um prego, arame ou qualquer instrumento torturante, e lá vinha aquela gota vermelha. Não faz muito descobriram que os vegetais também são seres humanos. Já ouviram tomate chorar e laranjas terem vertigens quando colheram uma ao lado da outra na lâmina da morte.

E a esta hora estão pegando leitõezinhos que, assados, ainda ganham sobre o nariz uma rodela de laranja, e aqui e ali azeitonas e outros adereços. E hipocritamente me assento numa churrascaria. Bebo um chope junto com a caipirinha e peço voluptuosamente uma picanha. Por que não, um churrasco completo? Sim, aceito. E lá vêm os cadáveres eufóricos, correndo para o meu prato: tomo a faca, empunho o garfo como um guerreiro tártaro. E como, e como. E rumino. E mastigo. E gosto. O sangue da vítima vai se misturando ao meu civilizadamente. Barbaramente.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Evolução


EVOLUÇÃO
Ivana Maria França de Negri

o homem da era virtual
ainda não se desvencilhou
do seu lado irracional

são séculos de caminhada
mas ainda não aprendeu a lição

não sabe ser misericordioso,
nem tem compaixão

não pensa que o animal
que esfola e mata,
é nosso irmão,
apenas um degrau abaixo
na escala da evolução.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Os animais que você come


"Os animais que você come não são aqueles que devoram outros, você não come as bestas carnívoras, você as toma como padrão. Você só sente fome pelas criaturas doces e gentis que não ferem ninguém, que o seguem, o servem, e que são devoradas por você pela recompensa de seus serviços."

Jean-Jaques Rousseau

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Touradas não voltam à TV Espanhola

Touradas não voltam à televisão espanhola
Publicado em 02 de Dezembro de 2010

A proposta do Partido Popular espanhol para voltar a transmitir touradas na televisão estatal RTVE foi hoje recusada em Parlamento.

Os apoiantes do documento eram encabeçados pelo toureiro Cayetano Rivera.
O PP pretendia tornar obrigatória a transmissão pela RTVE de pelo menos dez corridas de touros por temporada e incluir informação sobre tauromaquia nos noticiários.

A RTVE não transmite touradas desde 2006 e o canal La 2 tem apenas um programa semanal, há 25 anos. Juan Manuel Albendea, do PP, citado pelo jornal espanhol Público, considera que "a tourada é um evento cultural de primeira magnitude, da qual a rádio e televisão pública não tem noção".
http://www.ionline.pt/conteudo/91879-touradas-nao-voltam--televisao-espanhola

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Grandes homens prezam todas as criaturas


Chico Xavier certa vez foi levado à força para pescar com alguns amigos. Quando um deles bobservou que a linha que Chico usava nem mexia, puxou a mesma e notou que nela não havia anzol. Perguntado o porquê daquilo, Chico respondeu que tinha dó dos peixes.


Os grandes homens, prezam todos os seres criados por Deus.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Retrocesso: Piracicaba continua apoiando o sacrifício de animais em rituais religiosos


Eu fiquei assistindo pela TV a votação e discussões até depois da meia noite. Até gostaria de estar presente, mas como restringiram o número de pessoas no plenário e até separaram os defensores dos que fazem sacrifício de animais ( isso é democracia?), resolvi assistir de casa. Alguns vereadores me surpreenderam pela coragem de votar contra o veto do prefeito, outros, preocupados apenas com politicagem, já sabíamos de antemão qual seria sua posição. Quem me decepcionou foi aquele que sempre lutou pelo meio ambiente...
Enfim, Piracicaba deu um passo atrás, retrocedeu. Mas nada é para sempre e daqui a dois anos tem nova eleição!
O destino dos animais ficou nas mãos de alguns. Perderam a chance de libertar milhares de criaturas do jugo do sofrimento. Que suas consciências pesem cada vez que um ser vivo for degolado e condenado à morte lenta por hemorragia.
A luta em defesa da Vida continua. Parabéns ao vereador Trevisan!

http://andreabonanomi.blogspot.com/2007/10/shocking.html


Vereadores piracicabanos que votaram a favor do sacrifício de animais no município de Piracicaba quando eram necessários apenas mais dois votos para que os animais não tivessem mais suas jugulares cortadas e morte por hemorragia lenta. Sete votaram contra o sacrifício. Mas eram precisos 9 votos ( metade mais 1). Houve 2 abstenções de vereadores que faltaram.
 Por causa deles continua o sacrifício de animais no município.


André Bandeira
Bruno Prata
Capitão Gomes
João Manoel dos Santos
Márcia Pacheco



*Sacrifícios de animais em rituais continuarão...
Ivana Maria França de Negri

            A votação para derrubar o veto do prefeito ao projeto de lei que proibiria o sacrifício de animais em rituais religiosos foi uma grande decepção para todos que atuam na causa da proteção animal. A minoria venceu. Sete votos contra o veto e cinco a favor, mas venceram mesmo assim porque era preciso nove votos, e dois vereadores faltaram.
O destino de milhares de animais estava nas mãos de alguns poucos vereadores. Perderam a chance de libertar do jugo do sofrimento criaturas inocentes. Que suas consciências pesem cada vez que um animal for degolado e condenado à morte lenta por hemorragia.
Assisti pela TV a sessão que terminou quase à 1h da madrugada. Gostaria de estar presente, mas restringiram a entrada das pessoas a 16 de cada lado, e soube que havia forte aparato policial do lado de fora. Medo de que os protetores de animais atacassem os adeptos de sacrifícios? Isso foi democrático?
Alguns vereadores me surpreenderam ao votarem contra o veto do prefeito, outros, preocupados apenas com sua posição política, já sabíamos de antemão sua postura. Um que sempre lutou pelo meio ambiente, me decepcionou.
Enfim, Piracicaba retrocedeu anos, deu vários passos atrás.
A constituição federal é clara, prega a liberdade de culto, isto é, o direito de cada indivíduo de escolher livremente a sua seita, culto ou religião. Só que nenhuma religião, culto ou seita deve violar o respeito a qualquer criatura, e todas devem seguir os preceitos universais da misericórdia e da compaixão. E existe a lei dos direitos dos animais que é descumprida. Uma lei descumprindo outra lei.
Por falta de argumentos convincentes, os representantes das religiões de origem africana atribuíam o movimento dos protetores de animais a preconceito racial. Isso não procede de maneira alguma! Não estava na pauta o preconceito racial e nem de religião. O que os protetores queriam é dar um basta aos rituais sanguinolentos e cruéis.
Todo mundo se assombra com a violência crescente no planeta, mas nada fazem para combater a violência em suas raízes. E imolar animais é uma violência.
 A liberdade de cada um não pode ser absoluta e tem limites. O direito de um indivíduo termina exatamente onde começa o direito do outro. E todo ser vivo tem direito à vida.
Se as tradições seculares fossem intocáveis e mantidas para sempre, estaríamos ainda sacrificando gente, escravizando as pessoas e queimando outras nas fogueiras. Nos reportamos a eras primitivas quando virgens eram oferecidas em holocausto aos deuses e crianças eram sacrificadas no cume das montanhas e quanto mais elas chorassem, os povos acreditavam que mais chuva as divindades enviariam. Arrancavam o coração dos guerreiros mais valentes e os ofereciam ainda pulsando aos “deuses”.
Dizer que a carne do animal imolado é consumida após o rito, também não é argumento convincente porque carne não é fundamental para ninguém com tanta variedade de alimentos. Sou vegetariana há quase 3 décadas e a carne não me faz falta alguma.
Se até a Espanha, reduto milenar das touradas, está abolindo aos poucos esse espetáculo dantesco e na Catalunha a corrida de touros já está proibida, por que não se pode parar de sangrar animais em rituais religiosos? Tradição? Cultura? Teimosia? É preciso caminhar para a frente e quebrar paradigmas.
Deus é o mesmo para todas as raças, tribos e nações. Um Deus de amor que prega o respeito a todas as criaturas. A luta em favor da vida continua.
Mas nada é para sempre e daqui dois anos tem nova eleição e a dança das cadeiras vai recomeçar. 
*(texto publicado na Gazeta de Piracicaba)

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Rituais religiosos que sacrificam animais - Até quando?


Até quando certas seitas e religiões vão proceder como na idade das cavernas?


Até quando animais inocentes serão dolorosamente assassinados?


Qual entidade ou divindade de luz aceitaria oferendas que envolvem dor e sofrimento?

domingo, 5 de dezembro de 2010

Minha receita de coxinha vegetariana


Segue a receita das coxinhas veganas que várias pessoas me pediram:

Massa:

Coloque numa panela tefal ( aquela que não gruda ) 2 xícaras (chá) de trigo, 2 xícaras de água , 2 cubinhos de caldo de legumes (ou 1 pacorte de sopa creme de cebola) e 1 colher de margarina.
Misture bem e leve ao fogo, mexendo sempre, até que se forme a massa na consistência boa de enrolar as coxinhas. Ela se solta do fundo da panela formando uma bola. Reserve.

Recheio:
Hidrate na água, até que fique molinha, 1 xícara de PTS (proteína de soja moída). Escorra bem apertando numa peneira.
Coloque azeite numa panela, alho e cebola ralados ( quem não usa esses temperos pode colocar os que está acostumado), tomate picadinho, cheiro verde, pimenta calabresa e caldo de legumes. Não colocar shoyo (molho de soja) para não escurecer a "carne".
Com a massa já fria, enrolar no formato de coxinhas com bastante recheio, passá-las na margarina derretida e no pó de rosca.
Depois é só fritar em óleo bem quente e escorrer em papel toalha.
Não esqueçam de armazenar o óleo de fritura usado numa garrafa pet e colocar nos locais de coleta!

sábado, 4 de dezembro de 2010

Visita a um matadouro traumatiza crianças


Crianças ficam em choque após presenciar as atrocidades praticadas contra os animais num matadouro (Reprodução/newsweak)

Dezoito estudantes da Mavis Beacon Elementary School, em Ohama, Nebraska, ficaram extremamente horrorizadas ao ver como as vacas são cruelmente assassinadas e torturadas. Alguns dos estudantes vomitaram e a maioria chorava o tempo inteiro. O professor, Maxwell Barnes, responsável pela organização do passeio, diz de forma natural e terrível: “eu não vejo nada de errado no passeio. No início do ano fizemos uma visita a uma fábrica de chocolates. As crianças têm curiosidade em saber de onde vem sua comida. Eu não acho que deve haver algo de errado mostrando de onde vem a carne”. Como se vacas cruelmente assassinadas fosse algo muito natural.

De acordo com informações do jornal Newsweak, as crianças foram levadas no compartimento de carga onde os animais são transportados e testemunharam a barbaridade de como é realizado o processo de sacrifício, onde os animais recebem um tiro de pistola pneumática na cabeça, tendo “morte cerebral”.

Diante da reação horrorizada das crianças, o chefe do estabelecimento Dan Smith conta: “dissemos a eles que era tudo parte natural da carne, como são feitos hambúrgueres deliciosos que eles comem. Mas parece que não judou nada”. Como se as crianças fossem seres incapazes de pensar por si só na crueldade que foram obrigadas a presenciar.

Depois do desmaio horrível, os animais foram acorrentados pelas pernas traseiras e esquartejados, sangrando até a morte completa. Diante de tão horrenda cena, as crianças ficaram ainda piores. “Eu vi um menino vomitando. E, depois, todos começaram a correr e vomitar pelo local. Ficou tudo fora de controle. Eu me assustei e não continuei o passeio”.


Fonte : Rede Bichos

http://redebichos.ning.com/group/souprotetorevegetariano/forum/topics/trauma-em-criancas-diante-da?commentId=3060656%3AComment%3A203455&xg_source=activity&groupId=3060656%3AGroup%3A3605

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Vegetariano morde?

Vegetariano morde?
Ivana Maria França de Negri

Quem é vegetariano já ouviu perguntas as mais absurdas, inusitadas, e por vezes até ilárias. E é claro que a pergunta que dá título a esta crônica foi apenas um chamariz para a leitura do texto. Mas não deixam de ser engraçadas as situações que um vegetariano vivencia.
Muita gente imagina que o vegetarianismo é uma espécie de religião e fazem perguntas tipo: “vegetariano pode beber?” ou “vegetariano pode fumar?”
Vegetariano, como o próprio nome sugere, come alimentos de origem vegetal, isto é, nada que seja oriundo da morte de animais, nenhum tipo de carne. Beber ou fumar é opção de cada um, mas a maioria que opta por uma alimentação saudável, fatalmente não vai fumar e nem beber, pois conhece os danos que esses vícios causam ao organismo.
Outro dia fui alvo de uma pergunta no mínimo engraçada. Alguém me perguntou se vegetariano podia tomar refrigerante. A menos que seja alguma bebida oriunda de vísceras ou sangue, o que desconheço existir, é claro que pode se ele assim o desejar.
Vegetarianismo não é religião e nem regime para emagrecer, pois muitos vegetarianos, principalmente os que pendem para as massas e doces, estão acima do peso. Existem vegetarianos magros, gordos, de diversas religiões e raças e os que bebem ou são fumantes.
Ser vegetariano é apenas uma opção boa para a saúde, para o meio ambiente e para os animais – menos sofrimento para eles.
Imagino que no futuro o contingente de vegetarianos vai aumentar pois não haverá mais espaço para grandes criações de gado porque a população humana vai se multiplicar drasticamente no planeta povoando áreas antes destinadas às fazendas de gado.
A alimentação carnívora é resultado de hábitos milenares herdados dos ancestrais das cavernas, quando não havia outra opção a não ser caçar para comer. Hoje em dia existem tantas variedades de alimentos que nem seria preciso mais matar.
Os animais seguem os instintos, mas o homem possui o dom de discernir.
Uma pessoa vegetariana fica com o paladar bem apurado e consegue distinguir vestígios de carne numa refeição, mesmo que bem diluídos. Como diz o ator Claudio Cavalcanti, vegetariano e defensor dos animais, “ninguém nunca pensa que as iguarias que consome nas comemorações natalinas, nos domingos e nas festas, são fruto da matança, do sangue, dos berros de dor, do pavor, da tortura, do pânico, enfim, do sofrimento dos animais para que tudo fique reduzido a uma sinistra e repugnante evidência da inconsciência em que se baseiam nossas tradições.”
Crianças são condicionadas a amar os animais. Dão-lhes fofos gatinhos, meigos cãezinhos, peixinhos coloridos e pássaros canoros de presente para que cuidem deles e os amem. E ao mesmo tempo, dizem-lhes: coma a “carninha” que está no prato, coma um pedaço do peixe que faz bem. E como fica a cabeça de uma criança que tem o peixinho no aquário para amar e um outro no prato para comer? Por que lhe mostram o cabritinho, o bezerrinho, a fazem acariciá-los e depois a obrigam a comer sua carne?
Quando um adulto acordar para essa realidade cruel e tomar consciência, está a um passo de se tornar vegetariano, um ser de paz.