Sou vegetariana por amor aos animais

Sou vegetariana por amor aos animais
COLHER OU MATAR, a escolha é sua
"Se os matadouros tivessem paredes de vidro
todos seriam vegetarianos."

(Paul e Linda Mc Cartney)



Seguidores

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Isso é Arte???

Peles de cães e gatos servindo de tapete numa "exposição de arte" para serem pisoteados pelos visitantes
Porco empalhado numa exposição do Banco Itaú

Urubus vivos na Bienal em São Paulo, presos e sujeitos ao barulho e luzes fortes 24h por dia
Porcos tatuados em mais uma exposição de gosto duvidoso
Este cão sem dono morreu de fome e sede numa exposição do "artista" Guillermo Vargas da Costa Rica. Ficou amarrado por dias sem poder sair até morrer de fome, sendo que acima dele estavam escritas frases com ração. Um ABSURDO!
Pseudo-artistas utilizam animais vivos ou mortos em exposições de gosto duvidosoCavalo empalhado com placa fincada no dorso escrito "Jesus de Nazaré, rei dos judeus"
Mais arte bizarra nos sites abaixo:

http://edself.blogspot.com/2009/03/artista-usa-animais-empalhados.html
http://www.anda.jor.br/2010/04/03/artista-morbida-usa-animais-dissecados-em-suas-obras/

Curso de Culinária Vegetariana em Piracicaba


Pratos vegetarianos para a ceia de Natal pelo chef Fabio Ros com degustação no local

ef

Especista até no couro

Sou especista até no couro
Marcio de Almeida Bueno

As pessoas aí – mesmo as ruminantes de carne – se chocam com os vídeos da indústria de peles, e nem daria para não se chocar mesmo, mas mantêm o couro só no sapatinho. Até hoje não entendi porque a bifurcação mental entre animais fofos e peludos – e de certa forma distantes, e a vaca que capota no cimento do matadouro. Sim, antes que gritem os chatos, eu sei dos detalhes sórdidos e criativamente cruéis que envolvem esta ou aquela atividade em específico, mas daí estaríamos caindo barranco abaixo em direção ao bem-estarismo, do tipo ‘se meu remorso for menor, pode tá?’.
E a coisa nao é assim. É preciso pensar que, em princípio é uma pele animal que cobre o sapato, segura as calças para não caírem ou ‘protegem contra o frio’, conforme justificativa de praxe. Então se aceita uma pele daquele animal ali, o gordo com chifres e meio pateta, mas não do fofo e ágil, com talento para virar desenho animado.
O cheiro de couro ao passar em frente a uma loja ‘especializada’ me embrulha o estômago.
E esse couro foi tratado e processado até perder sua, digamos, aparência de animal. Tal como os nuggets ou a mortadela, coisa que se come mas não traz a cara de quem, tocado por Midas ao contrário, virou alvo do tesão gastronômico. E quem arrota preocupação com o meio-ambiente sustentável deve estar sempre gripado, com ‘dariz endupido’, toda vez que passa pore região onde tenha curtume. E toda a água intoxicada, metais pesados a go-go, é encanada e enviada para Marte, claro. “An, mas couro é natural, sintético é que faz mal”, como já ouvi de uma subgênia ao receber um panfleto anti-couro.
E, no entanto, essa gente vira a cara na hora de assistir a um vídeo – mas a vida é ao vivo – de morte de bichinhos fofos para que a J-Lo ou o 50Cent tenham onde gastar o dinheiro que ganham com sua, tipo, ‘arte’. Quem acha que estou valorizando menos o sofrimento dos arminhos, martas e outros animais que ‘dão sua pele para aquecer os humanos’, que me encontre em qualquer Sexta Sem Pele.
Vejam que falei da MORTE de um animal, não falei de sua desgraçada vida dentro de uma gaiola, retirado da natureza para ser ingrediente das planilhas de cálculo de exportação. É necessário fazer um insight e pensar no que é acordar todo dia em um quadrado de grades, tendo como opção comer, cagar, dormir ou girar no próprio eixo.
OK, tem humano que faz apenas isso durante toda sua existência e ainda se considera o degrau final do darwinismo, mas não é esse o ponto.
A questão é que esfolar terceiros para ter um calçado, etc, mais resistente – em tese, moçada, em tese – é uma escolha do sistema apresentada em dois de seus altares sagrados – a indústria e o comércio. Em não havendo ‘de couro’ de um dia para o outro, o povo vai espernear por um tempo, os formadores de opinião vão dizer o que o patrão mandar por um tempo, mas depois todos vão marchar felizes usando calçado feito de _________. Mais barato e resistente.
E, se imagino, poluindo apenas TANTO QUANTO antes, o tal meio-ambiente sustentável puxa-voto. Mas para isso, os especistas esdão zempre de dariz endupido, diacho!
Fonte: ANDA

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Sexta- feira sem pele - Worldwide Fur Free Friday


No próximo dia 26 de novembro acontece em todo o mundo a terceira edição da Sexta Feira Mundial Sem Pele – Worldwide Fur Free Friday, um dos protestos de ação global de maior relevância na luta pelos direitos animais. No último ano foram realizados protestos em mais de 120 localidades ao redor do mundo pedindo o fim do cruel comércio de peles de animais.

A data foi criada pela International Anti-Fur Coalition – Coalizão Internacional Anti-Pele – em parceria com o movimento Fur-Free Friday, que é muito popular nos Estados Unidos e acontece logo após o Dia de Ação de Graças, 25.

Estilistas que insistem no uso de pele animal em suas coleções são alvos de críticas dos manifestantes.

Junte-se a nós!

O objetivo é informar a população sobre o que se esconde por trás da indústria da pele. Milhões de animais continuam sendo mortos em nome da moda. Muitos são esfolados ainda vivos, incluindo cães e gatos, tudo em nome da vaidade e do consumo sem medidas, seja para um casaco, um brinquedo ou um enfeite qualquer.

Participe da Sexta-Feira Mundial Sem Pele!

Você pode fazer a diferença neste movimento contra o sofrimento dos animais!

São Paulo – Avenida Paulista em frente ao Masp
26 de novembro, a partir das 11h
Realização: Holocausto Animal
Idealização: http://www.antifurcoalition.org/
http://holocaustoanimalbrazil.blogspot.com/

Porto Alegre – Esquina Democrática
26 de novembro, das 14h às 19h, mesmo com chuva
Realização: Vanguarda Abolicionista
http://vanguardaabolicionista.com.br/

* Fábio Paiva
coordenador geral
http://www.holocaustoanimal.org/
acesse também:
http://holocaustoanimalbrazil.blogspot.com/
http://animalpress.blogspot.com/

domingo, 21 de novembro de 2010

Dieta da Compaixão

Dieta da compaixão
Ivana Maria França de Negri

Em se tratando de assuntos polêmicos, nunca se chega a um consenso, muito menos a um desfecho. Longe de mim a pretensão de mudar a cabeça de alguém, apenas acho que as explanações são válidas para despertar nas pessoas a curiosidade e induzi-las à reflexão.
Saúde corporal à parte, isso é com os médicos e nutricionistas, para mim é mais importante ser saudável de espírito. Existem pessoas doentes da alma, que perderam a paz por motivos diversos. Quem come carne e tem a consciência tranqüila, ótimo! Quem já fica meio indeciso, e pensa em mudar os hábitos alimentares aos poucos, ainda que seja só diminuir o consumo,melhor ainda!É bom para a saúde do corpo, da alma, e para os animais.
Somos evoluídos e temos discernimento, o que nos diferencia das outras espécies. Eles têm que se alimentar daquilo que seu instinto natural pede. Já nós, humanos, podemos pesquisar pela melhor opção e decidir o que vamos colocar dentro do nosso corpo.
Quando um predador sai para caçar, encontra suas vítimas soltas nas florestas, em bandos. Elas não tiveram suas crias apartadas de si, não foram marcadas a ferro quente, não foram castradas sem anestesia, não foram confinadas para a engorda rápida, não tomaram hormônios e nem antibióticos. Quando um desses animais é eleito para servir de almoço, tem que correr bastante antes de ser apanhado, e quem costuma fazer corridas e caminhadas sabe que o sangue circula mais rápido e a adrenalina é liberada aos borbotões. Quando o golpe fatal é dado, a vítima, com o anestésico natural que é a adrenalina, nem chega a sentir dor, pois está praticamente sedada. A natureza providencia tudo. Os que caem nas garras do predador são os mais fracos, os doentes e os velhos. Isso faz parte da seleção natural.
Já os bois que saem do confinamento, geralmente obesos, depois de longas viagens em caminhões, sem água, machucados por caírem uns sobre os outros durante as freadas bruscas, vão direto para o abate, obrigados a entrar no corredor da morte onde são marretados várias vezes com violência e, ainda atordoados, são dependurados num gancho para a retirada do couro e para rasgarem suas carnes.
Com frangos é pior ainda. Pendurados pelos pés, têm os pescoços torcidos e ainda se debatendo, são mergulhados em tanques de água fervente para serem depenados. Não vou entrar em detalhes desses procedimentos dantescos e nem comentar a maneira como são mortos os porcos e carneiros, pois todo mundo sabe, mas finge que não sabe, ou simplesmente não quer nem saber como “aquilo” chega à sua mesa. E pensar que as pessoas se horrorizam com a violência. Quando comem aquela carne, impregnada do medo e revolta do animal que quer preservar sua vida a todo custo, estão assimilando esses maus fluidos também, que passam a fazer parte de seu corpo, do seu sangue e das suas células.
É por tudo isso que eu me recuso a comer carne. Não que não gostasse. Confesso que nos dois primeiros anos, senti falta, como as pessoas que estão deixando de fumar, de beber, de usar drogas ou de roer unhas. Mas meu amor pelos animais venceu! Ele foi maior que os desejos do meu estômago. Venci os meus instintos e jamais voltarei a ser carnívora novamente.Isso já faz muitos anos. Agora, o odor de um churrasco me faz sentir náuseas.
Por favor, não me recriminem. Sinto-me em paz comigo mesma, com minha consciência, com a natureza, com o Deus que criou as pessoas e também os animais.
O Natal vem aí, a festa da paz e da misericórdia. Mas será que a ceia para comemorar o nascimento de Jesus, repleta de corpinhos de animais mortos, violados em seu direito de viver, agrada ao homenageado da noite?...

sábado, 20 de novembro de 2010

Mahatma Gandhi

"Sinto que o progresso espiritual requer, em uma determinada etapa, que paremos de matar nossos companheiros, os animais, para a satisfação de nossos desejos corpóreos."

Mahatma Gandhi

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Paul Mac Cartney no Brasil

Politicamente correto, o ex-beatle Paul McCartney - que se apresenta em São Paulo nos dias 21 e 22 deste mês - exigiu que a mobília de seu camarim não tivesse nenhum tipo de pele animal. Até cópias e couro artificial estão vetados.

Para combinar com o clima tropical brasileiro, McCartney pediu em seu camarim frutas orgânicas, uvas sem sementes, laranjas, bananas, além de uma tigela com limas-da-pérsia e uma coqueteleira com coador.

A comitiva que acompanha Paul McCartney nos shows que ele faz em São Paulo só vai comer comida vegetariana, conta a coluna de Mônica Bergamo, na Folha.
"Vamos ter que nos tornar vegetarianos nos próximos dias", disse o empresário Luis Oscar Niemeyer, dono da empresa que traz o show do beatle ao Brasil. A equipe vai fazer suas refeições em um restaurante no Morumbi, montado pela equipe do músico e comandado por seu chef particular.

Leonardo Da Vinci

"Tempo virá em que os seres humanos se contentarão com uma alimentação vegetariana e julgarão a matança de um animal inocente como hoje se julga o assassinato de um homem."

Leonardo da Vinci

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Paul & Linda

PAUL & LINDA
Laerte Levai (Promotor de Justiça e Vegetariano)

No verão de 1957, em Liverpool, um estudante de 15 anos ingressa no conjunto recém-formado por John Lennon, os Quarrymen, que se propunha a tocar rock and roll e rhitm´n blues em bailes e festas de escola, com direito a roupas apertadas, topetes e brilhantina. O garoto chamava-se Paul McCartney, que assumiu o contrabaixo para dar início àquela que seria, pouco mais tarde, a mais importante parceria musical do século XX: Lennon e McCartney. Não demorou muito para que o grupo integrasse outro adolescente, George Harrison, uma grata promessa na guitarra solo. No início dos anos 60, tendo como baterista Pete Best, o conjunto já se chamava Silver Beatles, logo simplificado para Beatles, passando a se apresentar no lendário Cavern Club. Em 1962, agora com Ringo Starr na bateria, a formação da banda torna-se definitiva e o sucesso não tarda a estourar, para a alegria dos quatro rapazes de Liverpool.
Músicas geniais de Paul foram compostas na inesquecível década de 60. Como não se render à belíssima linha do contrabaixo em “All My Loving”? E ao inocente romantismo de “And I Love Her’? Como não se encantar com a primorosa harmonia de “Here There and Everywhere”? E com o grito visceral que emergia de “Oh Darling”? Como esquecer de “Yesterday”, “Blackbird” e “The Long and Winding Road”? E dos acordes sobrepostos em “Lady Madonna”? E dos violinos de “Eleanor Rigby”? Como não se emocionar com o vigoroso refrão de “Golden Slumbers”? E com “Hey Jude”, que fez a juventude se levantar em um coro uníssono pelo amor e pela paz? É impossível esquecer. O apelo de “Let It Be” mostrava ao mundo que o sonho não acabaria jamais. Porque aqueles anos marcados por guerras, violência e opressão foram, paradoxalmente, mágicos e musicais. Os Beatles perpetuaram seu legado de esperança e o transmitiram às gerações seguintes. Paul McCartney nunca desistiu desse sonho.
Enquanto isso, do outro lado do oceano, mais precisamente em Nova York, uma menina nascida em família rica e inserida em um ambiente de requintada intelectualidade, passa a se interessar pelo estilo de vida simples, abstendo-se das aspirações materiais relacionadas a status e poder. Seu nome era Linda Eastman, que desde cedo demonstrou uma profunda devoção pela natureza e pelos animais. Intuitiva, espontânea e sonhadora, ela não tardou em trocar o conforto da casa paterna pela vida frugal que buscava para si, reflexo do olhar sensível que a tornaria, em pouco tempo, renomada fotógrafa norte-americana. Por esse caminho é que Linda se tornou conhecida, ao registrar com suas lentes imagens do cotidiano, da natureza, de shows, de músicos e de artistas Foi assim que, em 1968, Linda e Paul se conheceram e se tornaram amigos. Mas logo os céus se misturaram à terra e o espírito de Deus passou a se mover sobre a face da águas as águas.
Já não importava que os Beatles se separaram. Paul e Linda estavam juntos, em sua tenra cumplicidade, olhando sempre na mesma direção. No início dos anos 70 fundaram a banda The Wings, com Linda e Paul dividindo o palco. E surgiam, a partir de então, mais composições significativas na carreira de Paul, como “Band on the Run”, “Venus and Mars”, “Live and Let Die”, “Let Me Roll It”, “Maybe I’m Amazed”, entre outras igualmente belas. Nesse período de renovada inspiração musical, Paul compôs uma das mais sensíveis melodias de todos os tempos, em homenagem a Linda: “My Love”. E Linda certamente fez por merecer. Foi ela que mostrou a Paul o sentido último do amor. O amor incondicional por todas as criaturas. Linda era vegetariana pelos animais e levou Paul a aderir à causa. A propósito deste fato, há uma célebre frase atribuída ao casal McCartney: “Se os matadouros tivessem paredes de vidro, seríamos todos vegetarianos”. E assim se passaram muitos e muitos anos felizes. Paul e Linda. Linda e Paul.
Até que na manhã de 17 de abril de 1998, em uma casa de campo na região do Arizona, Linda morreu. Ao seu lado, além do marido, estavam os filhos Heather, Mary, Stella e James. Quatro dias após o falecimento da mulher – conta o biógrafo Barry Miles (in Paul McCartney – Many years from now, trad. Mário Vilela, DBA: São Paulo, 2000) -, o ex-beatle sentou-se à mesa da cozinha e ali mesmo, durante a madrugada, silenciosamente, escreveu uma carta. Uma carta para aquela que partiu para sempre. Um canto de amor e de despedida. Um lamento sob a tênue luz da noite cravejada de estrelas:
Linda foi, e ainda é, o amor da minha vida. Nossos lindos filhos nos deram uma força indescritível e Linda continua a viver em todos eles. A coragem que ela demonstrou na defesa do vegetarianismo e dos animais foi inacreditável. Eu pergunto: quantas mulheres enfrentariam sozinhas oponentes como as autoridades responsáveis pelo gado e pelos abatedouros, arriscando-se a ser motivo de piada, e ainda assim venceram?
Foi a mulher mais bondosa que já conheci, a mais pura. Para ela, todos os animais eram como personagens Disney e mereciam amor e respeito. Tive o privilégio de amá-la durante trinta anos, e nesse tempo todo, com exceção de uma ausência forçada, nunca passamos uma noite separados. Como mãe, foi a melhor. Nós dois sempre dissemos que tudo que queríamos para nossos filhos era que tivessem bom coração, e eles têm.
A homenagem que Linda teria mais gostado seria que as pessoas se tornassem vegetarianas, o que, dada a enorme variedade de alimentos disponíveis hoje em dia, é bem mais fácil do que muitos pensam. Linda entrou no ramo alimentício por uma única razão: salvar os animais do tratamento cruel que nossa sociedade e nossas tradições lhes impõem. Eu não conseguiria imaginar ninguém com menos tendência para ser mulher de negócios e, no entanto, ela trabalhou incansavelmente pelos direitos dos animais.
Era uma pessoa sem igual, e tê-la conhecido fez do mundo um lugar melhor para mim. Sua mensagem de amor continuará a viver em nossos corações. Eu te amo, Linda.
Paul.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Lisa Simpson é Vegetariana



Lisa Simpson é vegetariana. Num episódio da série ela se encontra com o Beatle Paul Mac Cartney e sua esposa Linda. Vejam parte neste vídeo abaixo.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Bombas de sementes na Guerra do Bem

Bombas de sementes na Guerra do Bem

Para fazer brotar plantas e flores em canteiros abandonados que precisem urgentemente de algum verde!

1. Misture num balde duas partes de sementes e três de adubo e depois acrescente cinco partes de argila em pó
2. Jogue água e misture até formar uma massa úmida. Enrole bolinhas de cerca de 2 centímetros.
3. Saia pelas ruas e jogue cuidadosamente essas bolinhas em canteiros e praças degradadas
4. As "bombas" carregam nutrientes suficientes para que os brotos comecem a crescer em solo pobre. É só esperar as próximas chuvas e você verá lindas flores espalhadas por suas mãos.

Achei uma ótima ideia!

Você sabia que...

Nos Estados Unidos, 660.000 animais são mortos por hora?
Uma quantidade impressionante de carne é consumida pelos americanos, canadenses e australianos, chegando a mais de 90 kg per capita ao ano.
Um americano com 72 anos de idade, já consumiu em média, durante a sua existência, o equivalente a 11 bois, 3 carneiros, 23 porcos, 45 perus, 1100 frangos e 390 kg de peixes!?!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O Olho do Boi

O olho do boi
Cássio Camilo Almeida de Negri (médico e vegetariano)

Marcelo tinha 60 anos quando tudo aconteceu.
Sempre fora muito trabalhador, pessoa exemplar, e ainda menino, entrou para o seminário.
Era um dos melhores alunos, muito letrado, sempre tirando as notas máximas em latim, teologia, filosofia e estudo comparado das religiões.
Formou-se padre, encantou suas ovelhas nas diversas dioceses, chegou a monsenhor, bispo e arcebispo.
Sempre seguiu à risca todos os mandamentos, e nunca usara a batina, como alguns de seus colegas, para cobiçar a mulher do próximo e muito menos para atos de pedofilia.
No entanto, sempre gostara de uma boa e farta mesa, principalmente dos assados e churrascos de cabritos, carneiros, frangos e, principalmente, boi.
Claro que na Sexta-feira Santa, sempre guardava esse dia, não se alimentava de carne. Comia sim, bacalhau, peixes e frutos do mar, mas carne vermelha, nunca.
Sempre tivera ótima saúde e agora, estava ali, deitado numa cama de hospital. Acontecera tão rápido que nem ainda atinara para a situação delicada em que se achava.
Fora fazer um exame de ultra-som rotineiro e o diagnóstico dizia: “nódulos hepáticos compatíveis com metástases em olhos de boi”. Não entendera bem, mas seu médico vaticinou: -“são nódulos de um câncer que já se espalhou pelo seu organismo, vindos do intestino”
Entrou em desespero, a esperar pela morte. Sua mente divagou por entre pensamentos cinzas, embora já lera ou assistira em algum programa de televisão, não se lembrava bem, que pessoas grandes devoradoras de carne tinham muito mais chances de terem cânceres.
Então, começou a imaginar quantos animais haviam morrido para encher seu estômago. Via aqueles olhos escuros, grandes, cheios de ternura dos bois, a derramarem lágrimas a cada marretada que recebiam na fronte, tudo para encher sua barriga... E da fronte rompida pela marreta, da fresta aberta pelo “golpe mortal”, surgiam umas letras, que ao se organizarem, formavam um dos mandamentos que sempre estudara e não havia entendido toda a sua profundidade: “NÃO MATARÁS!”.

domingo, 14 de novembro de 2010

São Francisco, os homens e os animais


Um amigo vegetariano postou em seu blog este texto que gostaria de compartilhar. Ele convida, para quem quiser, a discordar, criticar ou trazer novos elementos sobre o tema.



sábado, 13 de novembro de 2010

Hamburguer Vegetariano

Hamburguer de soja

Deixar previamente de molho 3 xícaras de proteína de soja moída. Espremer bem a água e juntar 1 envelope de sopa creme de cebola e um pouco mais de trigo até dar liga. Colocar shoyo para dar cor, mas não colocar muito porque o creme de cebola já é salgado.
Fazer as bolotas e amassar com forma própria para hambúrguer. Embalar em plástico ou em alumínio e congelar. Na hora de utilizar é só dourar numa frigideira antiaderente untada com pouco óleo ou colocar numa assadeira e levar ao forno.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Vegetariano Enrustido - Milton Martins

VEGETARIANO ENRUSTIDO
(Milton Martins - advogado e vegetariano)
http://martinsmilton.blogspot.com/

Você torce pelo touro todo ferido com aqueles espadins, odiando o toureiro com aquela roupinha ridícula? Ai, o touro acerta o toureiro e você grita como se fosse um gol do seu time num momento de decisão? Espera ai. E a violência que você rejeita filosoficamente?
- Bem a violência gera a violência, especialmente quando há atos brutais de covardia, como se dá com o touro acuado - esses toureiros efeminados só merecem chifradas mesmo.
Mau sinal.
Ai você considera um negócio até desonesto os rodeios, pela brutalização dos animais e um bando de idiotas aqueles montadores? Que podem se arrebentar no chão com os saltos do touro sofrendo pelas amarras na sua genitália? E você pensa alto:
- Tomara que se arrebentem, sabe.
Sinal de “perigo”. Você é um forte candidato ao vegetarianismo. Mas, saiba, você pode pensar ou tentar sem chegar a tanto. Porque o caminho é árduo. Mais fácil deixar de fumar mesmo que você nunca tenha fumado.

Começa assim:
Rejeita um bife de vez em quando, pensando no sofrimento da vaca, fala para o garçom passar reto com os espetos, se enche de salada, no queijinho assado e guarnições e disfarça.
Pergunta que ainda não vai calar:
- Você não está comendo carne? Esta picanha sangrenta está uma delícia.
Você mente:
- Sabe, hoje não estou me sentindo bem. Meu médico me recomendou não comer nada gorduroso.
Com o tempo você abole a carne vermelha e seguramente terá que explicar porque você assim decidiu e deverá estar preparado para responder os motivos:
Religioso? Filosófico? Regime especial? O quê, o quê, hem?
Você já começa a ser o diferente nos almoços de trabalho e sociais.
Nem uns hambúrgueres no McDonalds? Ah, tentação, com aquelas fritas sequinhas e um copo imenso de guaraná. Difícil, hem.
No churrasco com os amigos você fará “churrasco” de pão e molhinho. Conseguirá (mesmo) rejeitar a linguicinha e o coraçãozinho de frango no espeto?
Epa, mas o coraçãozinho é de frango, carne branca. Acho que vou avançar...
- Será que não vai mais comer nem frango, nem nada, você se questiona?
E responde:
- Sei não, acho que não vou, até porque a “produção” é também de imensa crueldade.
E a partir daí não tem jeito. Você se assume, quase vegetariano, não radical, porque não rejeita um peixe (já pensou o “filhote” assado, tentação!), uns nacos de bacalhau, uns frutos do mar, uns camarões...
Até que um dia no mercado você encara os olhos de peixe morto te assediando. Ah, não o peixe não!
E devagar você começa a se questionar. Afinal, o peixe não é de carne? Mas tão saborosa, tão cheia de vitaminas!
E vagarosamente começa a rejeitar o peixe:
- Será possível? Com vou explicar isso em casa? E nas minhas viagens, vou comer o quê?
A resposta vem espontânea:
- Avance nas saladas, no grão-de-bico, na soja temperada. Massa, meu amigo, mas cuidado com a barriga! As pizzas estão por aí, em qualquer canto tentando de dia e de noite.

Pronto, agora você é consumidor de brócolis, couves, abobrinhas refogadas e a milanesa, pimentões, quiabos e jilós, quibes e estrogonofe de composto (carne) de soja...e por aí vai! E frutas em profusão.

Que mudança, hem?
Ai, nos coquetéis você se obriga a perguntar ao garçom qual o recheio da empadinha com jeito apetitoso:
- É de palmito?
- Palmito e frango, responde exultante o garçom ávido por presenciar a gula coletiva.
Você rejeita a empadinha porque botou na cabeça que frango desfiado cheira pena molhada. Você pode degustar uns canapés de conteúdo não identificado. Feche os olhos e arrisque. Ou fique só no guaraná e na coca-cola...
Renúncias são renúncias.
E se prepare. Você faz uma visita a um velho amigo e em sua homenagem ele prepara língua ao molho pardo. Você faz tudo para não jogar o estômago no prato e dá uma desculpa a mais esfarrapada possível e só fica no arroz branco e no tomate da salada.
A esposa do seu amigo, constrangida, sugere fritar uns ovos, uma omelete.
Não, no ovo você ainda não chegou e não quer nem pensar! Você aceita, toma uns goles de vinho e tudo acaba bem. Todos alegres, contando causos e piadas. Exageros e gafes com os efeitos do vinho avançando.
Ainda bem, ainda bem. Eta dificuldade!
Com o tempo esses percalços deixarão de ocorrer. Não estranhe se você deixar de ser convidado para aqueles grandes encontros e reuniões regados a churrasco e linguicinhas. E chope, é claro.
Todos os seus amigos, seus familiares, descobrem que você é um chato.
Mas um chato feliz que torce pelo touro, sempre, sem crises de consciência.
Talvez você até entre em estudos filosóficos sobre o enigma da existência dos animais, o amor e o respeito que merecem. Aí você atingiu o clímax!

Boas Notícias ! Canadá proíbe experimentos em animais

Para eles, o inferno é aqui!
Canadá proíbe testes em animais nas universidades

O Comitê de Médicos pela Medicina Responsável (PCRM, na sigla em inglês) anunciou o fim do uso de animais nos testes laboratoriais das universidades do Canadá. As faculdades de medicina daquele país devem agora recorrer a métodos alternativos, como simuladores humanos.

"O Canadá eliminou completamente o uso de animais vivos em laboratórios nas faculdades; este deve ser um sinal claro para as poucas faculdades de medicina dos EUA que ainda utilizam estes procedimentos desumanos e nada educativos", disse John Pippin, da PCRM, citado pela Agência de Notícias dos Direitos dos Animais.

Segundo o responsável, o exemplo deve ser seguido pelas faculdades dos Estados Unidos, que devem "eliminar completamente a utilização de animais e abraçar o verdadeiro futuro da educação médica".

No Canadá estão portanto abolidos os métodos científicos cruéis, privilegiando-se alternativas que não envolvem a tortura nem a utilização de outras espécies e substituindo a experimentação animal por simuladores humanos.

http://www.anda.jor.br/2010/11/08/canada-declara-se-livre-da-experimentacao-animal-em-faculdades/

Receita de Fanta Natural

Fanta Natural ( rende 5 litros)

4 cenouras médias raspadas e picadas
casca amarela de uma laranja madura
1 copo de suco de limão
açúcar a gosto ( mais ou menos 250 grs )
3 litros e meio de água mineral gaseificada

Coloque no copo do liquidificador as cenouras, a casca de laranja, o suco de limão e bata bem. Coe numa peneira fina, coloque o açúcar, mexa bem e por último, a água. O resíduo pode ser usado para fazer geléia ou bolo de cenoura. É importante usar só a parte amarela da casca da laranja, pois a parte branca acaba amargando a bebida.






quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Dia Mundial sem Peles

Cidade de São Paulo terá protesto na Sexta-feira Mundial sem Pele - dia 26 de novembro

No próximo dia 26 acontece a terceira edição da “Sexta-feira Mundial Sem Pele” (Worldwide Fur Free Friday) – um dos protestos de ação global de maior relevância na luta pelos direitos animais. No ano passado, houve protestos em 120 grandes cidades nos cinco continentes pedindo o fim do comércio de peles. No Brasil, a manifestação acontece na Avenida Paulista, em frente ao Masp, a partir das 11h.
“O objetivo do protesto é informar a população sobre a crueldade que se esconde por trás de uma pele animal usada na indústria da moda e decoração, por exemplo. Milhões de animais continuam sendo mortos, esfolados ainda vivos, incluindo cães e gatos, tudo em nome da moda e do consumo, seja para um casaco, um brinquedo ou um enfeite qualquer”, diz Fábio Paiva, coordenador do braço verde-amarelo da International Anti-Fur Coalition.

A data foi criada pela International Anti-Fur Coalition (Coalizão Internacional Anti-Pele) em parceria com o movimento Fur-Free Friday (Sexta-feira sem pele), que é muito popular nos Estados Unidos e acontece logo após o Dia de Ação de Graças. Estilistas que insistem no uso de pele animal em suas coleções são alvos de críticas dos manifestantes.

O Brasil ocupa a liderança na exportação mundial de peles de chinchilas. Na opinião do ativista, “matar animais para satisfazer a vaidade é uma atitude imoral e injustificável em pleno século 21. Hoje, há peles sintéticas tão bonitas e até mais duráveis que as naturais”.

SEXTA-FEIRA MUNDIAL SEM PELE
Quando: dia 26/11, às 11h
Onde: Av. Paulista, em frente ao Masp


quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Reflexões de um boi num matadouro qualquer...

Reflexões de um boi num matadouro qualquer...
Ivana M. F. de Negri

Quanta angústia me causa este lugar sinistro. Aqui não existe harmonia e nem paz. Fui separado de minha mãe e de meus irmãos assim que nasci. Não sei o significado da palavra liberdade e nunca soube o que é amor. Encheram-me de injeções, marcaram meu couro com ferro em brasas, cortaram meus chifres e me castraram sem anestesia.
A cena que meus olhos vêem é horrenda: meus irmãos bois sendo conduzidos por estreito corredor, sendo atiçados por meio de lancetadas e choques elétricos. Desesperados, acuados, pressentindo a iminência da morte e apavorados com os gritos dos que os precedem nesse caminho sem volta, querem fugir, mas não há saída.
No funil da morte, são atingidos por vários golpes violentos de marreta na cabeça. Ainda atordoados e sangrando muito, vão sendo pendurados em afiados ganchos enquanto lhes arrancam o couro e descarnam seus ossos.
Nestes momentos finais, as cenas que vejo são indescritíveis. Estou aflito e não sei como deter esse holocausto. Sinto um forte odor de sangue, ouço os tristes lamentos de meus irmãos. São inocentes como eu. Não cometeram crime algum, nada fizeram de mal aos seres humanos para que os tratem tão barbaramente.
Sei que os meus irmãos porcos são esfaqueados no coração e têm cortadas as jugulares, enquanto esperneiam e gritam. Meus irmãos carneiros derramam lágrimas que não enternecem o humano que os degola friamente. Minhas irmãs aves têm seus pescoços torcidos, são estranguladas e seus ossos estalam. São dependuradas de cabeça para baixo ainda se debatendo enquanto são mergulhadas em água fervente para que se soltem as penas. As de melhor sorte morrem na hora, outras agonizam e morrem apenas quando caem nos tanques escaldantes.
Engordaram-me até que ficasse inchado de tanta gordura e eu não consigo nem ficar de pé. Planejam tirar a minha pobre vida ainda hoje para comerem minha carne até se empanturrarem. Já os vi colocando os restos mortais dos meus irmãos nos espetos e os cremando numa fogueira. Nessa hora seus olhos quase saltam das órbitas e eles salivam de tanto prazer diante da visão do sangue respingando.
O odor aqui dentro deste matadouro é repugnante, mistura de sangue fresco e de excrementos que os infelizes soltam por medo e dor. Nossos ouvidos são agredidos por berros, sons guturais de aflição extrema diante da violência e da morte iminente. Nós queremos viver!
O homem é o único animal que cria para comer, que se faz amigo dos que devora.
Oh Deus, que criastes os homens e os animais. Despertai a consciência dos que se dizem humanos para que compreendam que somos irmãos e nosso padecimento não é menor que o deles, pois somos seres sensíveis, sofremos e merecemos compaixão.
E eles se auto-proclamam seres de luz, de paz, os únicos racionais e inteligentes da face da terra, criados à imagem e semelhança de Vós.
Dizem que animais não choram, mas nessa hora crucial, lágrimas brotam de meus olhos.
Só que nenhum ser humano as vê, ou não quer enxergar...

Frases de Vegetarianos Famosos


Frases de vegetarianos famosos:

"Eu não sou vegetariano por mim, mas sim pelos animais." (Peter Singer, Libertação Animal)

"Deveríamos ser capazes de recusar-nos a viver se o preço da vida é a tortura de seres sensíveis." (Mahatma Gandhi)

"Enquanto o homem continuar a ser o destruidor dos seres animados dos planos inferiores, não conhecerá a saúde nem a paz. Enquanto os homens massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor." (Pitágoras)

"Os homens que comem carne e tomam beberagens fortes têm todos um sangue azedo e adusto, que os torna loucos de mil maneiras diferentes. Sua principal demência se manifesta na fúria de derramar o sangue de seus irmãos e devastar terras férteis, para reinarem sobre cemitérios." (Voltaire, A Princesa da Babilônia, Capítulo III)

" Você (...) sente fome pelas criaturas doces e gentis que não ferem ninguém, que o seguem, o servem, e que são devoradas por você como recompensa de seus serviços." (Jean-Jacques Rousseau, Emile)

"Quanto mais o homem simplifica a sua alimentação e se afasta do regime carnívoro, mais sábia é a sua mente". (George Bernard Shaw)

"Se quisermos nos libertar do sofrimento, não devemos viver do sofrimento e do assassínio infligidos aos animais". (Paul Carton)

"Se o homem aspira sinceramente a viver uma vida real, sua primeira decisão deve ser abster-se de comer carne e não matar nenhum animal para comer". (Leon Tolstoi)

"O comer carne é a sobrevivência da maior brutalidade; a mudança para o vegetarianismo é a primeira conseqüência natural da iluminação". (Leon Tolstoi)

A Miss Universo 2010 é Vegetariana

Alexandria Mills, americana de Kentucky, de 18 anos, eleita Miss Universo 2010, declarou-se vegetariana. Não come carnes e nem peixes.
Talvez resida aí o segredo de sua beleza!

Minha receita de quibe vegetariano

QUIBE VEGETARIANO

1 xícara de PTS ( proteína texturizada de soja moída)
2 xícaras de triguilho (trigo para quibe)
meia xícara de folhas de hortelã picadas
1 pacote de sopa creme de cebola
shoyo a gosto

Deixar o trigo e a PTS hidratando juntos na água por 10 minutos.
Escorrer bem a água e misturar a hortelã, o molho de shoyo e a sopa creme até dar liga de enrolar os quibes.
Fritar em óleo bem quente.
Mas se preferir, pode colocar a massa numa assadeira untada e levar ao forno até dourar.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Ser Vegetariano

Ser vegetariano
Ivana Maria França de Negri

Não quero ser cemitério,
De animais tirar a vida
Ser a tumba dos seus corpos
Que coisa mais descabida!

Sou da paz, não quero guerra
Muito menos violência
Por isso não como carne
Nem falo maledicência

Os animais sentem dor
E também querem viver
Pra que tirar sua vida
Se há tanto o que comer?

O mandamento é bem claro
“Não matarás a ninguém”
Penso que nele se incluem
Os pobres bichos também

Se é violência no prato
Para a alma é uma agressão
Comer a carne de um ser
Que já teve coração...

Era Jesus um Vegetariano?


http://www.angelfire.com/extreme/jesusvegetariano/faq.htm

Citações bíblicas sobre não comer carne:


Gênesis cap 1 versículos 29 e 30
Gênesis cap 9 versículos 3,4 e 5
Levítico cap 17 versículos 10, 11,12,13 e 14
Levítico cap 20 versículo 25
Levítico cap 19 versículo 26
Isaías cap 1 versículos 11,15,16
Isaías cap 7 versículos 14 e 15
Isaías cap 66 versículo 3
Amós cap 5 versículo 22
Epístola aos Romanos cap 14 versículo 21
1ª Carta aos Corintios cap 8 versículo 13

Baby Beef ou carne de vitela - você sabe o que é isso?

“Baby beef” ou carne de vitela – você sabe o que é isso?

A carne de vitela é muito apreciada por ser tenra, clara e macia. O que pouca gente sabe é que o alimento vem de muito sofrimento do bezerro macho, que desde o primeiro dia de vida é afastado da mãe e trancado num compartimento sem espaço para se movimentar.
Esse procedimento é para que o filhote não crie músculos e a carne se mantenha macia. Baby beef é o termo que designa a carne de filhotes ainda não desmamados. O mercado de vitelas nasceu como subproduto da indústria de laticínios que não aproveitava grande parte dos bezerros nascidos das vacas leiteiras. Veja como é obtido esse “produto”: assim que os filhotes nascem, são separados de suas mães, que permanecem por semanas mugindo por suas crias. Após serem removidos, os filhotes são confinados em estábulos com dimensões reduzidíssimas onde permanecerão por meses em sistema de ganho de peso – alimentação que consiste de substituto do leite materno.
Um dos principais métodos de obtenção de carne branca e macia, além da imobilização total do animal para que não crie músculos, é a retirada do mineral ferro da sua alimentação tornando-o anêmico e fornecendo o mineral somente na quantidade necessária para que não morra até o abate.
A falta de ferro é tão sentida pelos animais, que nada no estábulo pode ser feito de metal ferruginoso, pois eles entram em desespero para lamber esse tipo de material. Embora sejam animais com aversão natural à sujeira, a falta do mineral faz com que muitos comam seus próprios excrementos em busca de resíduos desse mineral. Alguns produtores contornam esse problema colocando os filhotes sobre um ripado de madeira, onde os excrementos possam cair num um piso de concreto ao qual os animais não tenham acesso.
A alimentação fornecida é líquida e altamente calórica, para que a maciez da carne seja mantida e os animais engordem rapidamente. Para que sejam forçados a comer o máximo possível, nenhuma outra fonte de líquido é fornecida, fazendo com que comam mesmo quando têm apenas sede.
Com o uso dessas técnicas, verificou-se que muitos filhotes entravam em desespero, criando úlceras pela sua agitação e descontrole no espaço reduzido. Uma solução foi encontrada pelos produtores: a ausência de luz; a manutenção dos animais em completa escuridão durante 22 horas do dia, acendendo-se a luz somente nos momentos de manutenção do estábulo. No processo de confinamento, os filhotes ficam completamente imobilizados, podendo apenas mexer a cabeça para comer e agachar, sem poderem sequer se deitar. Os bezerros são abatidos com mais ou menos 4 meses de vida - de uma vida de reclusão e sofrimento, sem nunca terem conhecido a luz do sol. Ele fica tão fraco, que vai para o abate carregado...
E as pessoas apreciam esse tipo de carne sem terem idéia de como é produzida.
A criação de vitelas é conhecida como um dos mais imorais e repulsivos mercados de animais no mundo todo.
Como não há no Brasil lei específica que proíba essa prática – como na Europa – o jeito é conscientizar as pessoas sobre a questão. Nossa arma é a informação. Se souber o que está comendo, a sociedade que já não mais tolera violências, vai mudar seus hábitos.
Podemos evitar todo esse sofrimento não comendo carne de vitela ou baby beef e repudiando os restaurantes que a servem. O consumidor tem força e deve usar esse poder escolhendo produtos, serviços e empresas que não tragam embutido o sofrimento de animais inocentes.
(Fonte: Instituto Nina Rosa – Projetos por Amor à Vida)

Gafe


A apresentadora Ana Maria Braga não poderia ter cometido gafe maior! Poucos minutos antes de encerrar o Programa Mais Você que foi ao ar no dia 08.11.2010, ela fez comentários sobre o show do ex-beatle Paul McCartney, realizado no dia anterior em Porto Alegre (RS). Disse ainda que gostaria de vê-lo no Rio de Janeiro e dedicou a ele o prato que tinha acabado de preparar. Detalhe: o prato – batizado com o nome de Carne Espiritual – leva carne em seus ingredientes. E não é segredo pra ninguém que o nosso querido Paul é vegetariano e ativista pelos direitos animais há décadas.



http://receitas.maisvoce.globo.com/Receitas/Carnes/0,,REC50585-7770-22+CARNE+ESPIRITUAL+,00.html